Menu
SADER_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Prefeitos vão discutir unificação de salário dos servidores

14 Abr 2007 - 09h46

Os prefeitos vão discutir durante assembléia-geral que ocorrerá na próxima terça-feira, no plenário da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), a possibilidade de unificação do aumento salarial para os servidores públicos dos 78 municípios do Estado.

Durante o encontro, com início previsto para às 9h, eles vão avaliar o resultado da X Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, conforme adiantou o prefeito de Costa Rica e vice-presidente da Assomasul, Waldeli dos Santos Rosa (PMDB).

"O objetivo, a exemplo dos anos anteriores, é imperioso para que seja encontrado um ponto de equilíbrio nos percentuais a serem aplicados, respeitando as regras constitucionais que regem o tema, mas, sobretudo, em consonância com as finanças dos municípios", disse Waldeli.

A maior preocupação dos administradores é com o aumento do salário mínino de R$ 380, que começou a valer no dia 1º, concedido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A medida provisória assinada pelo Planalto que elevou o salário mínimo de R$ 350 para R$ 380, representa um reajuste de 8,57% - com o desconto da inflação, o aumento fica em 5,41%.

O presidente da Assomasul, prefeito de Jateí, Eraldo Jorge Leite (PSDB), disse que ainda não há um índice de reajuste definido, mas observa que ninguém pode receber menos que o salário mínimo vigente no País.

Conforme o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), no Brasil, 43,7 milhões de pessoas têm seu rendimento ligado ao salário mínimo, entre eles 16 milhões são aposentados do INSS, cerca de 5 milhões são trabalhadores domésticos e 9 milhões são autônomos.

A maioria dos prefeitos trata o assunto com cautela, lembrando que as prefeituras hoje não têm condições de elevar muito suas receitas por causa das restrições previstas na LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).

Para Eraldo Leite, a maioria das prefeituras opera no limite, ou seja, gastando 54% com a folha de pessoal, como exige a LRF. "Qualquer que seja o aumento de salário, o que pesa muito são os encargos sociais, depois as prefeituras não suportam mais tanta carga tributária, devido principalmente a política econômica imposta pelo governo central", afirmou.

Marcha a Brasília –  Nesta quinta-feira, a CNM (Confederação Nacional de Municípios) divulgou carta na qual apontam como única conquista do evento a decisão do presidente Lula de autorizar a votação do aumento de 1% no repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

A medida terá um impacto de R$ 1,3 bilhão nas contas das prefeituras, mas depende do Congresso para sair do papel. Ao autorizar a votação da proposta que reajusta o FPM, o governo fez com que os prefeitos transferissem suas críticas para os parlamentares.

Na carta, os prefeitos responsabilizam o Congresso por não avançarem em outros pleitos e citam o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) como exemplo.

"No tema Fundeb, a mobilização dos prefeitos para o ressarcimento aos municípios com as despesas originadas pelo transporte escolar de alunos da rede estadual resultou em frustração às expectativas devido à falta de apoio de significativa parcela dos deputados federais", diz o texto.

Os prefeitos citam ainda a votação da proposta que limita o gasto dos municípios e Estados com precatórios, viabilizando o pagamento dos mesmos como outra demanda que depende do Congresso, além das reformas tributária, política e federativa.

Na carta, os prefeitos dizem ainda que continuam sem recursos para investir em educação e saúde e "impossibilitados de ampliar suas ações em razão da inviabilidade financeira dos erários públicos municipais". E defendem a desoneração da tarifa de transporte urbano - medidas que dependem do governo federal compartilhar receitas com os municípios.

A carta dos prefeitos ignora as outras medidas anunciadas pelo governo para atender aos municípios, como a redução das contrapartidas para financiamentos federais de projetos de saneamento e habitação dos atuais 20% para até 0,1%, a abertura de uma linha de financiamento para os municípios comprarem máquinas, o aumento dos recursos da Funasa e a ampliação da assistência técnica da Caixa Econômica Federal para projetos de saneamento e habitação popular.

 

 

Conjuntura Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação