Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Prefeito é assassinado em emboscada na Bahia

7 Mai 2007 - 10h03
O prefeito de Aurelino Leal (340 km de Salvador, BA), Gilberto Ramos de Andrade (PR), foi morto a tiros, na tarde de sábado (5). Para a polícia, o crime foi de pistolagem --feito sob encomenda.

A mulher de Andrade, Patrícia Sanches, foi presa sob suspeita de ser mandante do crime. Os advogados dela negaram o envolvimento no crime. Afirmaram ainda vão pedir habeas corpus para libertá-la, sob a alegação de falta de provas.

O crime ocorreu na BR-101, em Aurelino Leal. O carro que o prefeito dirigia ao lado do sogro, Joaquim Sanches, foi interceptado por dois homens, que atiraram pelo lado do passageiro. Nenhum disparo atingiu o sogro.

Ferido, o prefeito chegou a sair do carro e correr para a beira da rodovia, mas foi seguido pelos dois homens, que o agrediram. Ele não foi socorrido pelo sogro, mas por um morador que passava pelo local. No trajeto para o hospital, Andrade disse, pouco antes de morrer, que a mandante havia sido sua mulher.

A prisão de Patrícia foi baseada no depoimento do morador que socorreu o prefeito.
 
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico