Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Preços do café fino levaram alento às regiões produtoras

6 Jul 2010 - 15h56Por Globo Rural

Os bons preços do café fino trouxeram alento para as regiões produtoras. É o caso do cerrado mineiro, onde a colheita está um pouco atrasada.

No cafezal do seu João Batista Montanari, em Patrocínio, no cerrado mineiro, a colheita começou há cerca de duas semanas.

E ele só conseguiu retirar até agora perto de 20% da produção. No ano passado, ele já tinha feito o serviço em quase metade da lavoura.

“Nós tivemos que fazer uma colheita mais pré-liminar, mais o ponteiro do pé de café, para que a gente pudesse iniciar e ocupar o terreirão, que está vazio. O café está muito verde”, explicou seu João.

O seu João cultiva a variedade topázio, um cruzamento da variedade mundo novo com o catuaí amarelo.

É um café que produz uma bebida muito boa para a exportação. Só que este ano colheita ainda não deslanchou porque o clima não ajudou a maturação dos frutos.

“Teve uma concentração de chuvas num período pequeno e diminuição nos meses seguintes, de janeiro, fevereiro. Então, isso deu uma diferenciação bem desuniforme da florada.

A gente pode ver nos pés frutos muito verde, com pouco cereja e com um seco também nos ponteiros”, explicou a agrônoma Elisa Veronezi.

Para evitar colher mais frutos verdes, o produtor precisou fazer ajustes na colheitadeira. Marcelo Montanari trabalha com o pai. “Houve a necessidade de se retirar as varetas da parte interior da colhedeira.

Depois, teve de fazer um ajuste diminuindo a vibração da máquina, aumentar a velocidade de trabalho e soltar os freios”, contou.

Com esse ajuste, a porcentagem de grãos verdes pôde ser reduzida de 20% para apenas 8%.

O custo aumentará um pouco porque será necessário passar duas vezes a máquina no cafezal. Mesmo com essas dificuldades, o seu João está sorridente.

“A gente está animado por que o preço nosso de custo está mais o menos baseado em R$ 260 por saca.

O preço que estamos alcançando hoje, com esse aumento, é de R$ 310. Está ótimo. Em vista do preço que a gente estava vendendo antes, está ótimo”, avaliou seu João.

De um mês para cá, o preço médio do café subiu perto de 20%. Segundo as cooperativas, isso tem a ver principalmente com a redução dos estoques no mercado interno.

“Em relação ao ano passado, nós estamos com um estoque 70% menor. No ano passado, nós estávamos com 180 mil sacas. Hoje, nós estamos com pouco mais de 60 mil sacas.

Mas isso não é só uma realidade da nossa região do cerrado. Isso é realidade em quase todos os armazéns do Brasil.

A safra está demorando a chegar. O mercado esperava que a safra adiantasse, mas ela demorou.

Outra coisa é que os produtores já estão colhendo e vendendo, aproveitando essa alta do momento”, esclareceu o Joel de Souza, gerente da Expocaccer.

No Espírito Santo, a colheita do café conilon caminha pra etapa final. Já foi concluída em 80% das lavouras.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação