Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Preço do milho segue em alta em Mato Grosso do Sul

17 Ago 2007 - 14h40
A intervenção do governo federal, através dos leilões de Prêmio Equalizador pago ao Produtor (Pepro) e Prêmio de Escoamento de Produto (Pep), aliada à aceleração do ritmo das exportações brasileiras de milho pode ser apontada como razão para a sustentação do bom preço do cereal no mercado interno.

“Estas ferramentas de comercialização utilizadas pelo governo federal ajudam a direcionar parte da produção de milho para as exportações, o que acaba ‘enxugando’ internamente o mercado. Aí entra a lei básica de oferta e procura”, explica o vice-diretor da Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM), Carlos Dupas.

Já a alta demanda mundial pelo milho contribuiu para que as exportações, no mês de julho, atingissem o patamar mais alto já registrado na história da commoditie: 1,04 milhão de toneladas, de acordo com dados divulgados pela Céleres Consultoria.

Segundo os analistas da empresa, a valorização mais significativa do grão foi verificada na região Centro-Oeste. Em Cuiabá, capital do Estado de Mato Grosso, o milho teve alta de 9,5% sendo cotado a R$ 11,50 a saca. Em Rondonópolis a saca foi comercializada a R$13,00, o que representa alta de 8,3%. Em Mato Grosso do Sul, a saca do milho foi vendida a R$ 16,00, nesta quinta-feira, 16/08 (Fonte: CIMA-CEASA)

Países importadores
Segundo o vice-presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Eduardo Riedel, o Brasil deve exportar em torno de 8 milhões de toneladas de milho, em 2007. “Embora a maior demanda americana pelo produto – para produção de etanol – esteja contribuindo para esse aumento nas exportações brasileiras, o Irã, tradicional importador de milho do Brasil, também se destacou neste cenário, tendo adquirido um volume significativo do produto”.

Dados também divulgados pela Céleres Consultoria dão conta de que o volume de milho comprado por este país, no mês de julho, foi de 812, 68 mil toneladas, sendo seguido por Portugal e Coréia do sul que adquiriram 137,46 mil toneladas e 52, 25 mil toneladas, respectivamente.

Incógnita
Sobre a melhora na competitividade do milho brasileiro para as exportações em função da taxa cambial observada nos últimos dias, o vice–presidente da BBM demonstra cautela, embora reconheça que a curto prazo, isso realmente aconteceu.
“Antes de afirmar que essa tendência vai permanecer temos que lembrar que o que estamos presenciando é uma situação de exceção. Por quanto tempo isso vai se manter?”, questiona Dupas, lembrando que a resposta a essa pergunta uma incógnita e que a taxa cambial ainda está longe de ser a ideal.
 
 
Dourados Informa

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho