Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Preço da gasolina deve ficar estável, apesar da queda do dólar

18 Mai 2007 - 09h04

A queda do dólar, que já é superior a 8% em 2007 com o fechamento da moeda em R$ 1,952 nesta quinta-feira (17), deve beneficiar as empresas que consomem alguns derivados de petróleo no país, como óleo combustível, querosene de aviação (QAV) e da nafta petroquímica. Esse efeito positivo não deve chegar, no entanto, ao bolso dos motoristas brasileiros que utilizam gasolina e óleo diesel. Essa é a avaliação dos especialistas no setor de petróleo e gás ouvidos pelo G1.

A Petrobras adota critérios diferentes para reajustar os derivados de petróleo. No caso do óleo combustível, do querosene de aviação e da nafta petroquímica, a estatal repassa mensalmente para o mercado brasileiro as oscilações no preço praticado no mercado internacional.

Para a gasolina, o gás de botijão (GLP) e o óleo diesel, a empresa não segue a taxa de câmbio - além de fatores econômicos, o desgaste político de um aumento dos combustíveis também é considerado.

De acordo com o diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura, Adriano Pires, o último reajuste da gasolina aconteceu em setembro de 2005. Depois disso, o dólar e o preço do petróleo subiram e desceram, mas o preço praticado pela Petrobras ficou estável.

Ele lembra que as mudanças no preço ao consumidor só ocorreram nas distribuidoras e postos, por causa do aumento de custos dos revendedores ou da queda na demanda pelo produto. Ou seja, nada a ver com o dólar ou com a Petrobras.

Um dos motivos pelos quais a Petrobras não segue os preços internacionais da gasolina é que a produção nacional é mais que suficiente para abastecer o mercado brasileiro. Já no caso do diesel, o fato de haver importação não é suficiente para levar a estatal a mexer no preço.

Para David Zylbersztajn, ex-diretor geral da ANP (Agência Nacional de Petróleo), há também outra explicação para essa cautela da estatal em mexer nos preços dos combustíveis que mais afetam a vida do consumidor.

“É sempre uma mudança arriscada. Se você reduzir o preço agora, pode ser que lá na frente tenha de aumentar”, diz Zylbersztajn. Segundo ele, essas mudanças têm um impacto muito forte sobre a inflação e a vida das pessoas. Por isso, acabam trazendo incertezas para a economia e desgaste político para o governo.

Ele diz que a Petrobras só irá mexer no preço da gasolina e do diesel se acreditar que a tendência de queda do dólar e do petróleo é algo permanente. “Se o dólar se mantiver nesse nível, em algum momento a Petrobras terá de fazer um ajuste para baixo”, diz.

Para o professor Giuseppe Bacoccoli, pesquisador da Coppe-UFRJ, a estatal já deveria repassar essa queda para o consumidor, mas não o fará. “Não acredito que a Petrobras vá transferir essas vantagens agora, embora devesse.”

Ele lembrou as palavras do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que afirmou ontem que a queda do dólar é boa “para quem vive de salário”. Segundo Bacoccoli, uma redução no preço da gasolina seria boa do ponto de vista político. “Se é bom para quem vive de salário, vamos reduzir o preço das coisas”, afirmou.

Perda para a Petrobras - Para o analista de investimentos Daniel Gorayeb, da corretora Spinelli, a Petrobras não tem motivos para repassar a queda do dólar para os preço ao consumidor, já que a empresa tem sido prejudicada, e não beneficiada, pela variação cambial.

Ele lembra que, no primeiro trimestre deste ano, o dólar foi um dos vilões do balanço da Petrobras, que teve um lucro quase 40% menor. O câmbio teve um impacto superior a R$ 1 bilhão no resultado da empresa, o que reduziu o lucro no trimestre para R$ 4,13 bilhões.

Em primeiro lugar, o petróleo exportado pela estatal, em dólares, rendeu menos reais para a empresa. “Mesmo que o petróleo fique no mesmo nível, o valor em reais é menor”, diz Gorayeb.

Outro problema é que as empresas controladas pela Petrobras no exterior remeteram dólares que também renderam menos reais na hora da conversão cambial. Além disso, a empresa é credora em dólares, o que também prejudica o resultado da companhia quando se considera a desvalorização dessa moeda frente ao real.

Segundo ele, um aumento na receita em reais com a venda de combustíveis vai ajudar a compensar a perda da empresa com o câmbio. Até porque, no ano passado, quando os preços do petróleo subiram, a empresa absorveu as perdas, que não foram repassadas ao consumidor. “Ela não teria porque mexer nos preços agora.”

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos