Menu
SADER_FULL
sexta, 22 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Pouco comentado no Brasil, câncer no pênis pode levar a amputação

24 Ago 2010 - 06h29Por Folha Online

Pouco comentado no Brasil, o câncer de pênis atinge cerca de 2% da população masculina do país atualmente, segundo informações da Sociedade Brasileira de Urologia.

Associada a maus hábitos de higiene, a doença é bastante invasiva e alcança índices alarmantes nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, onde o índice chega perto de 10%.

De acordo com o urologista Alexandre Crippa, do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), em alguns países em desenvolvimento a incidência é ainda maior, afetando principalmente homens a partir dos 30 anos.

O Hospital das Clínicas recebe cerca de 80 pacientes com câncer no pênis por ano, de diversos Estados. Desse total, em 80% dos casos há necessidade de amputação do membro. O número preocupa pela gravidade e complexidade em que os casos chegam ao hospital, todos com urgência cirúrgica.

Os sintomas são facilmente identificados por parecer com uma úlcera e formar feridas no pênis. "A maioria dos pacientes não acredita que isso possa ser um câncer e demora a procurar ajuda médica, prejudicando o tratamento e a cura", explica o urologista.

Crippa ainda destaca que muitos homens optam pela automedicação. "O paciente pede ajuda a farmacêuticos e muitas vezes tratam com antibióticos e pomadas, por confundir os sintomas com os de doenças sexualmente transmissíveis. Apenas quando a medicação não faz efeito e os sintomas se agravam é que a pessoa procura ajuda médica", conta.

O especialista alerta que a fimose pode ser um fator de risco para a consolidação da doença, pois dificulta a higienização do pênis. "O rapaz que tem fimose sente dificuldades na limpeza e isso faz com que ele sofra agressões químicas. Ao longo do tempo, surgem microtraumas que podem desencadear o câncer."

TRATAMENTO

O tratamento é feito por meio de cirurgia, pois o câncer avança de maneira rápida e causa traumas que somente a intervenção cirúrgica pode reparar a tempo. Crippa acrescenta que a doença apresenta-se em estágio avançado em muitos casos, o que torna necessária a amputação total do órgão sexual.

Se tratado a tempo, o paciente sofre danos menores, que não o impedirão de ter uma vida sexual ativa.

Devido ao caráter de mutilação, o diagnóstico precoce é fundamental, pois evita grande parte do sofrimento e sequelas.

A prevenção é simples, "é necessária uma limpeza diária com água e sabão e com maior cuidado na região da glande", completa o urologista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'