Menu
SADER_FULL
quarta, 21 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Policiais federais vão parar dia 28 de março por reajuste

16 Mar 2007 - 16h24
No próximo dia 28, os delegados da Polícia Federal e demais policiais federais do País vão cruzar os braços e deixar de realizar qualquer tipo de operação. "A paralisação é de 24 horas e não funcionaremos em todo o Brasil", afirma o presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Sandro Torres Avelar. A paralisação ocorrerá no mesmo dia que o Departamento de Polícia Federal completará 44 anos de criação.

O motivo para a ação, segundo Avelar, é o não cumprimento do acordo assinado "em papel timbrado" no dia 2 de fevereiro de 2006, com o então ministro da Justiça na época, Márcio Thomaz Bastos. O compromisso, afirma Avelar, dizia que haveria um reajuste salarial de 70% dividido em duas parcelas, de 35% cada, e que já estava "tudo acertado com a equipe econômica do governo federal".

"Após uma exaustiva negociação ao longo de 2005, conseguimos chegar a este acordo. Mas recebemos a primeira parcela em julho, e não recebemos o restante. Não é mais uma negociação ou uma luta, queremos apenas o cumprimento do acordo", argumenta o presidente da ADPF, lembrando que, desde a assinatura do acordo, a categoria fez diversas cobranças ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que fosse cumprido o que foi prometido.

De acordo com Avelar, a intenção é diminuir a diferença salarial da categoria entre outros órgãos criminais da União, como o Ministério Público e a Magistratura Federal. "Não é questão de equiparação. Mas os perfis de um agente da Polícia Federal e do Ministério Público são muito parecidos. Hoje, o salário inicial da PF é menos da metade do que um membro do MP", salienta. "Há dezenas de profissionais capacitados saindo do departamento por conta do salário e que, muitas vezes, migram para a carreira de MP. Perder um colega por falta de aptidão dá para compreender, mas perder por conta desta situação é inadmissível", acrescenta.

O presidente da ADPF afirma que o clima na instituição é "muito ruim". "Estão todos insatisfeitos. Assim não está dando para trabalhar projetos de interesse da PF e da sociedade", desabafa. Segundo ele, um policial federal recebe, líquido, em torno de R$ 4 mil e um delegado por volta de R$ 7 mil. "Enquanto isso, outras carreiras do Estado chegaram a ter reajustes de mais de 300%", diz. "Nossa diferença continua muito grande e, mesmo que o acordo seja cumprido, continuarem recebendo muito menos que as outras carreiras, o que não é uma tradição na nossa atividade."

Por fim, Avelar diz que espera que, com a paralisação, o governo cumpra o que foi acordado em 2006. A troca do ministro da Justiça, pelo petista Tarso Genro, em razão da reforma ministerial para o segundo governo Lula, não desanima o presidente da ADPF. "Acreditamos que este problema não vai persistir. O ministro da época, Márcio Thomaz Bastos, se empenhou pelo acordo e o Tarso Genro também deverá ser sensível à causa". E finalizou: "Esta é uma questão de honra, para recuperar a auto-estima da instituição."

 

 

Uol Notícias

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade
100 TETO
Na busca por emprego, homem 'mora' em abrigo de papelão
PÂNICO NO ÔNIBUS
Atirador de Elite mata homem que fez reféns em ônibus
AGORA DEU MEDO
Velório é interrompido após morto 'apertar' mão da esposa
TRAGEDIA NA RODOVIA
Três pessoas morrem em acidente envolvendo carro e caminhão na BR-277
FATALIDADE
Jovem mulher morre ao levar choque usando o secador de cabelos
ABSURDO - BRASIL
Mulher mata o marido a facadas e leva pênis para a amante dentro de um copo