Menu
SADER_FULL
domingo, 23 de setembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Policiais federais vão parar dia 28 de março por reajuste

16 Mar 2007 - 16h24
No próximo dia 28, os delegados da Polícia Federal e demais policiais federais do País vão cruzar os braços e deixar de realizar qualquer tipo de operação. "A paralisação é de 24 horas e não funcionaremos em todo o Brasil", afirma o presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Sandro Torres Avelar. A paralisação ocorrerá no mesmo dia que o Departamento de Polícia Federal completará 44 anos de criação.

O motivo para a ação, segundo Avelar, é o não cumprimento do acordo assinado "em papel timbrado" no dia 2 de fevereiro de 2006, com o então ministro da Justiça na época, Márcio Thomaz Bastos. O compromisso, afirma Avelar, dizia que haveria um reajuste salarial de 70% dividido em duas parcelas, de 35% cada, e que já estava "tudo acertado com a equipe econômica do governo federal".

"Após uma exaustiva negociação ao longo de 2005, conseguimos chegar a este acordo. Mas recebemos a primeira parcela em julho, e não recebemos o restante. Não é mais uma negociação ou uma luta, queremos apenas o cumprimento do acordo", argumenta o presidente da ADPF, lembrando que, desde a assinatura do acordo, a categoria fez diversas cobranças ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que fosse cumprido o que foi prometido.

De acordo com Avelar, a intenção é diminuir a diferença salarial da categoria entre outros órgãos criminais da União, como o Ministério Público e a Magistratura Federal. "Não é questão de equiparação. Mas os perfis de um agente da Polícia Federal e do Ministério Público são muito parecidos. Hoje, o salário inicial da PF é menos da metade do que um membro do MP", salienta. "Há dezenas de profissionais capacitados saindo do departamento por conta do salário e que, muitas vezes, migram para a carreira de MP. Perder um colega por falta de aptidão dá para compreender, mas perder por conta desta situação é inadmissível", acrescenta.

O presidente da ADPF afirma que o clima na instituição é "muito ruim". "Estão todos insatisfeitos. Assim não está dando para trabalhar projetos de interesse da PF e da sociedade", desabafa. Segundo ele, um policial federal recebe, líquido, em torno de R$ 4 mil e um delegado por volta de R$ 7 mil. "Enquanto isso, outras carreiras do Estado chegaram a ter reajustes de mais de 300%", diz. "Nossa diferença continua muito grande e, mesmo que o acordo seja cumprido, continuarem recebendo muito menos que as outras carreiras, o que não é uma tradição na nossa atividade."

Por fim, Avelar diz que espera que, com a paralisação, o governo cumpra o que foi acordado em 2006. A troca do ministro da Justiça, pelo petista Tarso Genro, em razão da reforma ministerial para o segundo governo Lula, não desanima o presidente da ADPF. "Acreditamos que este problema não vai persistir. O ministro da época, Márcio Thomaz Bastos, se empenhou pelo acordo e o Tarso Genro também deverá ser sensível à causa". E finalizou: "Esta é uma questão de honra, para recuperar a auto-estima da instituição."

 

 

Uol Notícias

Deixe seu Comentário

Leia Também

EMBOSCADA
Homem é assassinado na frente do filho de seis anos
FAMOSIDADES
Xuxa rompe silêncio sobre Marlene Mattos e traições de Pelé: ‘Me fez coisas muito feias’
ASSALTANTE
Preso confessou que matou a ex em cela da cadeia
DISPUTA ACIRRADA
Nova pesquisa mostra empate técnico entre Haddad e Bolsonaro
SELEÇÃO BRASILEIRA
Gabriel Jesus retorna para a Seleção
LOTERIA
Mega-Sena acumula novamente e pode pagar prêmio de R$ 22 milhões
HORÁRIO DE VERÃO 2018
Horário de Verão pode ser extinto em todo território nacional
EDUCAÇÃO
‘Desejo continuar com a minha profissão, mas temo pela minha vida’, diz professor agredido em aula
SOB INVESTIGAÇÃO
Jovem é encontrada morta dentro do quarto e esposo está desaparecido
MORTE NO DETRAN
Jovem sofre parada cardíaca durante prova para tirar CNH