Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 15 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Polícia prende contador da Prefeitura de Cassilândia

18 Abr 2007 - 08h35

A Polícia Civil prendeu na noite de ontem o servidor Jorge Kobayashy, responsável pela contabilidade da Prefeitura de Cassilândia, por ocultar provas sobre os crimes de fraude, desvio de dinheiro público e agiotagem pelas quais outros cinco servidores e mais uma pessoa já estão presos. Informações apontam que ele poderia atrapalhar as investigações, pois estava ocultando documentos importantes.

Os policiais acreditam ainda que essa atitude do servidor pode significar que ele também está envolvido no esquema. Por enquanto, durante a “Operação Judas”, deflagrada pelo MPE (Ministério Público Estadual) e com o auxílio das polícias Civil e Militar e Unicoc (Unidade Integrada de Combate a Organizações Criminosas), já foram detidos os servidores Luceni Quintana Corrêa, Ana Regina Arantes, Ivete Vargas de Souza, Waldimiro José Cotrim Moreira e Orange Rezende e Silva, além de Eugênio Luiz Azambuja, que é marido de Luceni.

O prefeito de Cassilândia, José Donizete Ferreira de Freitas (PT), já pediu o afastamento dos servidores denunciados e instaurou sindicância para colaborar com as investigações do MPE e apurar os fatos na Prefeitura. O prefeito afirmou ainda que os servidores serão exonerados caso sejam comprovadas as denúncias, sendo que nomeou o advogado Ademir Gruvinel para chefiar a comissão de sindicância, juntamente com outro advogado e uma servidora municipal.

O grupo auxiliará nas investigações do MPE e averiguará procedimentos para que novos problemas não ocorram, sendo que uma das providências que está sendo estudada pelo prefeito é procurar uma agência bancária para o pagamento dos impostos para que problemas como este de desvio de dinheiro não voltem a ocorrer. O promotor de Justiça Fábio Lanni Goldfinger não descartou que mais pessoas sejam presas, mas, por enquanto, não divulgou quanto já teria sido desviado dos cofres da Prefeitura, limitando-se a afirmar que o número já chega a milhões e citando que através do esquema podem ser descobertas outras fraudes praticadas pelos criminosos.

Questionado sobre a possibilidade de o prefeito estar envolvido na ação criminosa, o promotor de Justiça explicou que as investigações não apontaram, por enquanto, nenhum envolvimento dele, mesmo assim José Donizete será convidado a prestar esclarecimentos. O prefeito afirmou que ainda não foi ouvido, mas garantiu estar à disposição da Justiça para prestar esclarecimentos sobre os fatos, entretanto, garantiu que só tem as mesmas informações que a imprensa. Ele afirmou estar abalado com a situação, pois confiava na equipe que trabalhava há mais de dez anos na Prefeitura. “Com fé vamos superar os fatos”.

Esquema

Cinco presos tiveram a prisão prorrogada até amanhã, com exceção de Orange e Jorge, tiveram a prisão prorrogada por mais cinco dias no último sábado com o objetivo de colher provas e realizar prisões de envolvidos no desvio de recursos da administração pública de Cassilândia. Além da prisão dos envolvidos, na casa do casal Luceni Quintana Corrêa e Eugênio Luiz Azambuja foram apreendidos R$ 584.082,53 em dinheiro e cheques, a maioria proveniente dos caixas da Prefeitura Municipal de Cassilândia, o que demonstra a gravidade dos fatos.

As prisões e apreensões só reforçaram a denúncia de que a servidora movimentava a conta do Executivo municipal para operar esquema de agiotagem em parceria com o marido Eugênio Luiz Azambuja, que é da cidade de Inocência. Os dois são acusados dos crimes de peculato, ordenação de despesa não autorizada em lei, quadrilha ou bando e lavagem de capitais contra a Prefeitura Municipal de Cassilândia.

Segundo o MPE, em ação de representação pela prisão cautelar e busca e apreensão de bens em domicílios, Luceni Quintana Corrêa estaria apropriando-se de dinheiro da Prefeitura com o auxílio do marido. Ele emprestava dinheiro a juros, sendo que os cheques que recebia dos “clientes” eram repassados à esposa que, por sua vez, depositava na conta da Prefeitura e, posteriormente, efetuava os saques em dinheiro da quantia depositada.

Dessa forma, conforme a denúncia do MPE, mesmo que os cheques não fossem pagos por insuficiência de fundos, ela recebia os valores em dinheiro. A acusada ainda descontava na boca do caixa da agência do Banco do Brasil em Cassilândia cheques emitidos pela Prefeitura e tendo como beneficiário o próprio Executivo municipal, recebendo a quantia em dinheiro, sendo que a evolução patrimonial da acusada está em desconformidade com o cargo que ocupa.

O MPE também acusa os servidores Ana Regina Arantes e Waldomiro Moreira Coltrim de participação nos crimes, sendo que Coltrim é apontado como um dos articuladores do esquema de corrupção. Além disso, a servidora Ivete Vargas Rocha de Souza, responsável pelas licitações na Prefeitura, também é acusada de participar do esquema.

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros
DICAS DE SERVIÇO DE HOSPEDAGEM NA WEB
Vai criar um blog ou um site?, saiba aqui tudo sobre o serviço de hospedagem
ALERTA NA NET
Golpe no WhatsApp engana usuários ao prometer brindes falsos de Natal
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz passa mal ao abraçar e beijar a mãe pela primeira vez