Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 16 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Polícia Federal fecha bingos e casas de jogos em Campo Grande

25 Abr 2007 - 08h18

A Polícia Federal fechou no começo da noite de hoje os bingos Senador, Golden Bingo e Bingo Cidade e as casas de jogos  Winner e Chaparrau em Campo Grande por determinação judicial. Também por determinação da Justiça foram apreendidos equipamentos utilizados para Vídeo Poker nas casas de jogos.

Esta ação atende os resultados da Operação Têmis, que trata do esquema de venda de decisões judiciais favoráveis aos bingos e bicheiros. A ordem foi da 5º Vara da Justiça Federal, após a decisão favorável ao Ministério Público, que em 2004 entrou com ação para fechar os bingos em MS. A decisão judicial de hoje acabou com a validade das liminares que permitiam o funcionamento dos bingos no Estado.

Segundo a TV Morena, nas casas de jogos Winner e Chaparrau os policiais apreenderam 75 computadores e 70 máquinas leitoras de cartão magnético, que são consideradas jogos de azar, mas os estabelecimentos não foram fechados. Os bingos tiveram as portas lacradas com um aviso de “Interditado pela Justiça Federal”.

Operação Têmis

A Polícia Federal deflagrou na sexta-feira passada (20) a Operação Têmis (nome da deusa grega da Justiça) contra uma suposta quadrilha que negociava a venda de sentenças judiciais com o objetivo de fraudar a Receita Federal e, em menor escala, permitir o funcionamento de bingos.

Durante a operação - realizada em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Campo Grande (MS) - a PF fez buscas e apreensões nas casas e escritórios de três desembargadores, dois juízes, um procurador da Fazenda Nacional, uma funcionária da Receita Federal, além de advogados e policiais civis.

De acordo com as investigações da PF, a quadrilha pagava uma mensalidade de R$ 20 mil a R$ 30 mil para desembargadores, juízes, um procurador da Fazenda Nacional e uma funcionária da Receita Federal. O esquema contaria ainda com a participação de policiais civis.

Além da mensalidade, segundo ele, a organização criminosa pagaria para os magistrados R$ 150 mil por sentença favorável. A mensalidade de R$ 20 mil a R$ 30 mil seria uma espécie de taxa de manutenção do sistema criminoso.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros
DICAS DE SERVIÇO DE HOSPEDAGEM NA WEB
Vai criar um blog ou um site?, saiba aqui tudo sobre o serviço de hospedagem
ALERTA NA NET
Golpe no WhatsApp engana usuários ao prometer brindes falsos de Natal