Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 17 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Pirataria tira milhares de empregos formais do País

8 Set 2004 - 10h33

O contrabando e a pirataria têm tirado a oportunidade para que milhares de brasileiros ingressem no mercado formal de trabalho do País. A declaração é do secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, que esteve na semana passada em Foz do Iguaçu para acompanhar as ações de combate ao crime organizado na fronteira com o Paraguai.

Rachid considera a região estratégica do ponto de vista do combate à pirataria e ao contrabando. “Foz, que já teve sua economia baseada no turismo, passou a ser fator de preocupação em todo o País”, declara o secretário. “Milhares de empresas são fechadas por não suportarem a concorrência desleal dos produtos importados ilegalmente”.

O secretário destacou que a Receita vem conseguindo grandes vitórias na batalha contra o crime organizado. Na sexta-feira (3), em Foz, por exemplo, foram destruídos 250 mil maços de cigarros e mais de meio milhão de CDs piratas ou falsificados.

Um dos resultados práticos tem sido a apreensão de ônibus que fazem contrabando por meio de Foz do Iguaçu. De janeiro a agosto de 2004 foram apreendidos 204 ônibus de “muambeiros”. Estima-se que esses veículos, juntos, transportavam por ano R$ 1 bilhão em mercadorias.

“Conseguimos aplicar um fortíssimo golpe no contrabando e no descaminho. Estamos tirando deles o meio de transporte”, disse o Delegado de Foz, José Carlos de Araújo, que pretende tirar de circulação até o final do ano metade da frota estimada em 1.000 ônibus que transportam mercadorias irregularmente.

O cerco aos sacoleiros começou a se fechar mesmo a partir da edição da Lei 10.833/2003, que prevê multa e apreensão dos veículos flagrados transportando mercadorias contrabandeadas. De acordo com o delegado da Receita em Foz, esses comboios chegavam, no início deste ano, a 350 ônibus. Com o sucesso das operações de apreensão, o número está reduzido a 120.

O transporte ilegal de mercadorias por meio de ônibus vinha-se fortalecendo nas últimas décadas. Os veículos, que antes levavam a Foz turistas ou sacoleiros em busca de um salário-extra com a venda de presentes importados, passaram funcionar como verdadeiros caminhões fechados a serviço de “atacadistas da muamba”.

Para ser adaptado ao contrabando de larga escala, os ônibus têm quase todos os assentos retirados e as janelas ganham películas que dificultam a visualização do interior do veículo. Geralmente, às quartas e sábados eles deixam Foz do Iguaçu em comboios para dificultar o trabalho da Receita e da polícia.

Os resultados da Receita em Foz do Iguaçu mostram que a pirataria e o contrabando estão passando por dias difíceis. De janeiro de 2004 até hoje foram destruídos 30 milhões de maços de cigarros e mais de 600 mil CDs piratas ou falsificados. No total, a apreensão de mercadorias e veículos na região da tríplice fronteira superou a marca dos R$ 52 milhões.

O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, afirmou que a Receita está aumentando cada vez mais seus esforços no combate à pirataria. “No primeiro semestre deste ano o volume de destruição de mercadorias chegou a R$ 39,3 milhões. Isso significa um aumento de 42% em relação ao mesmo período no ano passado”, disse Rachid.

O combate ao contrabando não se resume apenas aos sacoleiros. Desde novembro de 2002, a Receita já tirou do mercado 565 empresas de fachada, que atuavam irregularmente no comércio exterior.

Em todo o País as apreensões de mercadorias neste ano já alcançaram R$ 200 milhões. O secretário lembrou que aquela era a segunda destruição de mercadorias na semana. Na quarta-feira, em Porto Alegre, foram destruídas mercadorias apreendidas no Rio Grande do Sul, avaliadas em R$ 3 milhões. Entre os objetos estavam máquinas caça-níqueis, óculos, relógios, bolsas, canetas, CDs e armas de brinquedo.

Rachid comandou a operação, acompanhado de representantes dos órgãos que atuam contra o crime organizado na cidade paranaense. Ele destacou o apoio das polícias federais e estaduais, Ministério Público e outros órgãos que atuam em parceria com a Secretaria. Também acompanhou a destruição de CDs o diretor-geral da Associação dos Direitos Intelectuais Fonográficos, Valdemar Gomes Ribeiro.

 

 

Receita Federal

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'