Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

PF faz blitz em comitê de Dilma em Brasília

21 Mai 2010 - 10h30Por Fola

A Polícia Federal fez ontem uma blitz no escritório de campanha da pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, e constatou que a empresa paulista CR 5, contratada pelo PT para realizar a sua segurança, trabalha irregularmente em Brasília.

A blitz foi motivada por reportagem da Folha, publicada no último domingo. A PF descobriu que, dos 4 seguranças que estavam no local, 3 eram contratados pela PK9, empresa de limpeza e conservação do grupo CR 5, como forma de burlar a legislação em vigor para uma empresa de segurança.

Três agentes da Delegacia de Controle de Segurança Privada estiveram no local onde costumam ocorrer reuniões da cúpula da campanha petista e apreenderam os rádios comunicadores dos seguranças, porque eles não apresentaram a licença de frequência da Anatel.

Os seguranças que trabalhavam irregularmente no escritório prestaram termos de declarações. O material apreendido e os depoimentos foram enviados para São Paulo, onde deve ser feito um auto de infração.

A legislação prevê multa tanto para empresa como para o seu contratante, o PT. A CR 5 pode vir a ser proibida temporariamente de funcionar no final do processo.

Conforme a lei 7.102/83 e decretos posteriores, como a portaria 387/06 da PF, para uma empresa paulista, como a CR 5, prestar serviço em Brasília, ela precisa ter uma filial aberta na cidade, com vários requisitos -como um número mínimo de funcionários e um cofre para guardar as armas.

Procurada, a assessoria da pré-campanha de Dilma afirmou que o contrato foi realizado pelo PT, que foi notificado pela contratação.
Ontem, o partido não se manifestou. Mas ao ser procurado na semana passada, informou que o contrato foi enviado para o setor jurídico para análise.

O grupo CR 5 informou ontem que nenhum dos funcionários "da PK9 utiliza arma letal ou não letal, ou seja, não pode ser caracterizado como funcionário de vigilância".

"O leque de serviços autorizados à PK9 inclui recepção, telefonista e copa. Os funcionários na função de controle de acesso em portarias recebem treinamento diferenciado, mais condizente com a demanda de mercado", disse a CR 5.

Alvará

Em São Paulo, o grupo tem alvará para realizar o serviço de segurança patrimonial, ou seja, de estabelecimentos, mas não tem autorização para fazer a segurança pessoal privada, o chamado serviço de guarda-costas.

Segundo a PF, a fiscalização foi realizada no escritório da pré-campanha no Hotel Imperial -embora o comitê inclua a casa de Dilma e o escritório do Lago Sul. Para a PF, foi constatado que o mesmo serviço era realizado nos outros locais e, com isso, não houve a necessidade de ampliar a blitz.

A Folha apurou que o contrato acertado com o grupo CR 5 é de R$ 100 mil a R$ 120 mil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação