Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 20 de junho de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

PF apreende R$ 500 mil, carros de luxo e aeronaves em operação contra fraude

9 Set 2013 - 17h14Por Uol

A Polícia Federal (PF) afirmou ter apreendido nesta segunda-feira (9) R$ 500 mil em dinheiro vivo, além de carros de luxo e aeronaves em operação intitulada "Esopo" deflagrada com objetivo de estancar fraude que, segundo a corporação, estava sendo praticada em programa do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Segundo o delegado Marcelo Freitas, a operação da Polícia Federal ocorreu nos Estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Amapá, além do Paraná, Roraima, Rondônia e Paraíba, além do Distrito Federal. Durante entrevista coletiva na sede da Polícia Federal, em Belo Horizonte, Freitas afirmou ainda que 25 pessoas foram presas. Entre elas, 12 foram conduzidas à Polícia Federal por meio de mandado de prisão coercitiva, ou seja, a pessoa é ouvida e liberada em seguida. O rombo já confirmado é de R$ 55 milhões.

Ainda segundo a PF, foram expedidos 44 mandados de busca e apreensão, e 20 de sequestro de bens. Segundo a PF, todos foram cumpridos.

Segundo uma fonte da polícia ligada às investigações, o IMDC (Instituto Mundial do Desenvolvimento e da Cidadania), com sede em Belo Horizonte, é a Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) apontada pela polícia como sendo a entidade responsável pelo desvio de dinheiro do ministério.

Entenda o que é uma Oscip

Oscips são ONGs criadas pela iniciativa privada com objetivo da promoção da assistência social, da cultura, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico, da promoção gratuita da saúde e da educação, além da defesa do meio ambiente.

Para atuar nessas áreas, algumas dessas entidades, após conseguirem um certificado emitido pelo pode público federal, pode firmar parcerias com o governo e obter recursos para subsidiar as ações do voluntarismo.

Entre os conduzidos de maneira coercitiva, estão Paulo Pinto, o secretário executivo do Ministério do Trabalho, preso em Brasília, e Simone Vasconcelos, ex-diretora financeira da agência de publicidade SMP&B, de Marcos Valério, apontado como o operador do mensalão. Além deles, foram presos ex-prefeitos de cidade mineiras, os administradores da Oscip e servidores públicos, cujos nomes não foram revelados.

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Fiemg (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais), situada na capital mineira, e em um instituto ligado ao governo de Minas Gerais.

De acordo com a fonte da PF, Simone Vasconcelos é acusada de emissão de notas fiscais frias por meio de uma empresa sua para o IMDC. O UOL está tentando contato com o advogado dela e com os do IMDC.

"As investigações demonstraram que o foco central de atuação da organização criminosa era o Ministério do Trabalho e emprego, por intermédio do Programa Pró-Jovem. Sem dúvida nenhuma, o rombo causado pela Oscip, tempo em vista o longo período de atuação, pode ser bem superior", afirmou Freitas.
Rombo

Conforme Israel José Carvalho, coordenador de Operações Especiais da Controladoria-Geral da União, de um total de repasses de dinheiro público da ordem de R$ 200 milhões, feito nos últimos cinco anos, (período alvo da investigação) à Oscip, R$ 55 milhões foram desviados

Conforme o delegado Marcelo Freitas, o secretário executivo do Ministério Público acusado de participação nas supostas fraudes teria o papel de "facilitador" no esquema, favorecendo a atuação da Oscip mineira no ministério.

"O secretário executivo atuava facilitando a atuação da Oscip ora investigada no ministério de modo a excluí-la do cadastro de inadimplentes, permitindo que prestações de contas pudessem ser feitas sem a devida precaução", disse.

Segundo a polícia, os investigados vão responder pelos crimes de falsidade ideológica, formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e peculato.

"Se somadas as penas abstratamente dos crimes, superam-se facilmente os 30 anos de prisão", disse o delegado Marcelos Freitas.
Propina

De acordo com as investigações, os serviços celebrados entre o ministério e a Oscip teriam sido, em alguns caso, superfaturados e, e, outros, nem teriam sido prestados. Parte do recurso público era desviado e repassado aos administradores da entidade.

Eles são acusados pela polícia de pagarem propina a servidores públicos para facilitar o esquema de desvio de dinheiro.

"Era por intermédio desses funcionários públicos, ou dos gestores públicos (prefeitos), que a organização criminosa investigada atuava nos municípios, nos Estados e na União, subtraindo os recursos públicos", disse o delegado Freitas.

Conforme ele, ex-funcionários da Oscip, ao adquirirem experiência no ramo, abriam suas próprias Oscips e firmavam contratos com o governo federal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLENCIA DOMESTICA
Jovem que agrediu a própria mãe por não poder ir a baile funk é presa
ATAQUE CANINO
Criança de dois anos é morta no quintal de casa por cachorro rottweiler
INFANTICIDIO
Padrasto teria sentado em cima da cabeça de bebê que morreu,foi espancado na cadeia
SOB INVESTIGAÇÃO
Jornalista do site Lei Seca Maricá foi assassinado com 3 tiros
VIDA SEDENTARIA
OMS alerta: Criança menor de 3 anos não deve ficar nem um minuto em tablet ou celular
HOMICIDIO X SUICIDIO
Pai que matou o filho de 4 anos e se matou não se conformava com namoro da ex-mulher
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos, com depressão comete suicídio e comove amigos
ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses
SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná