Menu
SADER_FULL
domingo, 19 de agosto de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Petrobras vai autorizar aumento do preço do álcool

28 Jul 2004 - 08h47

O prejuízo na safra de cana-de-açúcar paulista causado pela chuva, de abril à primeira quinzena de junho, levou os produtores de álcool a aumentarem o preço médio de venda às distribuidoras em 11%, provocando um aumento para oconsumidor, nos próximos dias.

A Petrobras informou que haverá aumento de preços, mas não quis precisar o quanto e nem quando. A empresa anunciou que não tem responsabilidade pelo aumento de preços nas usinas e que as distribuidoras são obrigadas a fazer o repasse do reajuste para o consumidor, porque, assim como outras empresas, terá que comprar álcool mais caro dos produtores.

O impacto do reajuste do preço do álcool no preço da gasolina, segundo Pádua, deverá ser em torno de R$ 0,02 na bomba, já que a gasolina possui 25% de álcool misturado à sua composição.

Pesquisa semanal de preços feita pela Esalq/Usp (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP) divulgou que o aumento médio do álcool combustível no Estado de São Paulo foi de 11% esta semana em relação à semana anterior.

O aumento de R$ 0,55 para R$ 0,65 na média de preços aconteceu em função da oferta e da demanda de mercado, segundo a União da Agroindústria Canavieira do Estado de São Paulo (Única).

O diretor da Única, Antônio Pádua Rodrigues, afirmou que os produtores tiveram que aumentar o preço do álcool porque as chuvas no Estado de São Paulo diminuíram a produção 1 bilhão de litros de álcool, correspondentes ao mercado de um mês de produção.

"A produção foi inferior ao que o mercado esperava devido às condições climáticas. Quando chove não há como colher nem produzir a cana-de-açúcar, temos que parar. Deixamos de produzir 15 milhões de toneladas de cana de abril na primeira quinzena de junho e reduzimos a moagem de cana em 12% em relação ao mesmo período do ano passado", disse o empresário.

Segundo Pádua, o aumento de preços no Estado de São Paulo pode refletir nos outros estados da região Centro-Sul. Ao todo são 230 produtores na região, responsáveis por mais de 80% da produção nacional. "Para baixar o preço do álcool, o produtor teria que ter um incremento forte de oferta para recuperar o tempo perdido, o que não acontecerá tão rápido. É mais provável que o preço fique estável após esse reajuste", avalia Pádua.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço dos combustíveis é liberado por lei aos produtores, distribuidores e postos de gasolina e o reajuste não depende de tabelamento nem de autorização do governo.

A ANP age apenas monitorando e acompanhando os preços dos combustíveis no mercado e, caso detecte algum indício de infração à ordem econômica, comunica ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e à Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA - ALMOÇO NO PESQUEIRO
Confira o cardápio do delicioso almoço neste domingo no Pesqueiro 7 Bello em VICENTINA
CRIME PASSIONAL
Marido flagra esposa com suposto amante e caso termina em morte
NOVELA GLOBAL
Remy pode não ter morrido em 'Segundo sol'; veja os indícios
TECNOLOGIA
Segunda via do RG pode ser solicitada pela internet
BOA AÇÃO
Empresário curado faz doação milionária para hospital público
VIOLENCIA
Homem desce do carro e mata mulher com tiro a queima roupa
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Laureta confessa que matou Remy; Karola foi cúmplice
PRESO EM 2010
Morre o homem apontado como maior contrabandista de cigarros do País
ELEIÇÕES 2018 - REGISTRO FEITO
AGORA: PT registra candidatura de Lula e tem até 17 de setembro para trocar candidato
BRIGA DE FAMILIA
Briga de irmãos termina com faca cravada na cabeça de jovem adolescente