Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Petrobras avalia que preço do petróleo continuará alto

8 Out 2004 - 09h47
O diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse hoje em audiência na Comissão de Desenvolvimento Econômico que a oferta mundial de petróleo está baixa e países como a China e a Índia estão aumentando o seu consumo. Por esses motivos, o preço deve continuar flutuando entre 40 dólares (cerca de R$ 116,00) e 50 dólares o barril (cerca de R$ 145,00), o que deve afetar a economia mundial. "Isso vai afetar de forma drástica países até superdesenvolvidos como o Japão, que importa a totalidade do seu petróleo, e os Estados Unidos, que importam metade do que consomem. Vai haver um impacto muito pesado na economia”.
Sobre novos reajustes da gasolina, Costa afirmou que a Petrobras procura sempre esperar uma melhor definição dos preços internacionais antes de repassar qualquer aumento de derivados do petróleo para o consumidor.

Preço da nafta
A audiência na comissão tinha o objetivo inicial de tratar dos altos preços da nafta no mercado interno. A nafta, um derivado do petróleo, é a matéria-prima principal das empresas de produtos plásticos.
Paulo Roberto Costa, que substituiu o presidente da empresa, José Eduardo Dutra, na comissão, informou que o preço da nafta tem acompanhado a variação do preço internacional do petróleo. O diretor explicou que a Petrobras tem de praticar o preço de mercado para conseguir atingir a meta de investimentos de 53,6 bilhões de dólares (cerca de R$ 160 bilhões) para o período de 2004 e 2010.
O diretor da Petrobras explicou que os preços da nafta refletem o mercado internacional para que a empresa consiga investir no aumento da produção interna. Costa também afirmou que o preço dos derivados de petróleo ao consumidor não depende apenas da Petrobras, mas também das empresas que transformam esses produtos em outros materiais.
Para o deputado Augusto Nardes (PP-RS), autor do pedido de audiência, a Petrobrás poderia reduzir um pouco a sua margem de lucro em benefício do crescimento econômico interno. "Nós achamos que o setor de plástico, e não somente este setor, poderia ter um tratamento diferenciado já que outros países fazem isso, como é o caso da Venezuela”, defendeu o parlamentar.

Ausências
Para a audiência também foram convidados os representantes de indústrias do setor plástico. Mas eles informaram à Comissão que não participariam dos debates devido à ausência do presidente da Petrobras.
O deputado Augusto Nardes disse que vai pedir uma nova audiência sobre o assunto com a presença da ministra das Minas e Energia, Dilma Roussef.
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos