Menu
PASSARELA
domingo, 24 de junho de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Pesquisa nas áreas rurais aumenta déficit habitacional

8 Dez 2004 - 17h04
Uma nova pesquisa do Ministério das Cidades traz uma recontagem do déficit habitacional do país. Pela primeira vez foram incluídas as área rurais dos estados da região Norte e Nordeste. "O ministério sentiu a necessidade de realizar um levantamento um pouco mais detalhado do déficit habitacional. Isso levou a uma leitura por meio das microrregiões e municípios", afirmou a secretária-executiva do Ministério das Cidades, Ermínia Maricato.

Com a inclusão dessas áreas, o déficit de moradias, que antes era de 6,6 milhões, passou para 7,2 milhões. As áreas urbanas representam 5,4 milhões do total e as rurais 1,7 milhão. Segundo Ermínia, os números não se limitam apenas a falta de moradias, mas por problemas estruturais. "A moradia pode estar em boas condições, entretanto não servida de iluminação elétrica, abastecimento de água, esgotamento sanitário ou coleta de lixo", afirmou.

No esforço para minimizar o problema da falta de moradia, o governo federal propôs a criação do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS), que visa promover o acesso a moradia digna a todos os segmentos da população, especialmente o de baixa renda. Pela proposta do governo, será instituído também o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social, que articulará políticas e programas habitacionais nos três níveis de governo - federal, estaduais e municipais. "Queremos que todos os agentes tenham um modelo aonde buscar rumo, regras e orientação. É um projeto nacional, que está sendo discutido com a sociedade e com o setor privado. Se não for aprovado como um pacto social, não vai funcionar", ressaltou Ermínia. O fundo foi aprovado na Câmara dos Deputados e está em tramitação no Senado Federal.

O Ministério das Cidades terá um orçamento de R$ 6,5 milhões para investir na área de habitação em 2005. Apesar de haver uma série de programas para combater o déficit, Ermínia ressalta que é preciso realizar um pacto federativo para melhorar o quadro. "Não há medida demagógica, nem mágica. Enquanto todos os entes federativos não estiverem participando como mercado ampliado, oferecendo moradia para classe média, que recebe de cinco a 10 salários mínimos, não vamos resolver o problema de crescimento de favelas", diz.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'Segundo Sol': Laureta revela para a família de Rosa que ela é prostituta
GOVENO NÃO CUMPRE
Caminhoneiros anunciam nova paralisação, mas trabalhadores de MS não devem participar
RAIVA HUMANA
Morte de turista por raiva humana é confirmada em Ubatuba
NOVELA GLOBAL
Valentim sofre grave acidente de carro
INACEITAVEL
Mãe de jovem morto no Rio: “É um Estado doente que mata criança com roupa de escola”
HAJA CORAÇÃO
Neymar é o autor do gol mais tardio, em tempo normal, de uma Copa na história
COPA DO MUNDO
No sufoco, Brasil supera a Costa Rica e consegue primeira vitória na Copa do Mundo
NOVELA GLOBAL
Segundo Sol: Rosa coloca fim em relação com Ícaro e ele toma atitude
SAUDE
Mulher dá a luz em calçada no Cajuru
FAMOSIDADES
Ex-apresentadora do ‘Vídeo show’, Alinne Prado sofre assalto a mão armada dentro de casa