Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Paralisação dos bancários já completa 20 dias

4 Out 2004 - 07h38

A greve dos bancários continua nesta segunda-feira e completa 20 dias de paralisação. Em assembléia realizada na última sexta-feira em São Paulo, a categoria decidiu manter o movimento por tempo indeterminado. Hoje, às 16h, os bancários voltam a se reunir no centro da capital paulista em nova assembléia.

Apesar da greve, os aposentados que recebem os benefícios hoje não devem ter problema para sacar os recursos. Na sexta-feira, quando começou o pagamento aos aposentados e pensionistas do INSS, a greve não prejudicou o atendimento, segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

Os cerca de 22,8 milhões de beneficiários do INSS recebem suas pensões e aposentadorias nos primeiros cinco dias úteis de cada mês. Segundo a Febraban, os pensionistas contam com uma rede de 15 instituições privadas, quatro bancos públicos federais e dez bancos públicos estaduais.

Nova proposta

Para tentar acabar com o impasse, na quinta-feira da semana passada, os bancários paulistas decidiram baixar a reivindicação de reajuste salarial de 25 para 19%. A nova proposta, no entanto, foi rejeitada pelos banqueiros, que mantêm a oferta de 8,5% de aumento.

A Executiva Nacional dos bancários, que representa os trabalhadores nas mesas de negociação com os bancos, avaliará hoje a proposta menos de reajuste elaborada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo e Região.

Anteriormente, a assessoria da CNB havia informado que a executiva teria rejeitado a nova proposta dos bancários paulistas, fincando o pé na reivindicação de reajuste de 25%.

Mais tarde, no entanto, a assessoria voltou atrás e afirmou que a proposta dos bancários paulistas não chegou a ser debatida nesta sexta-feira. Ainda assim, segundo a CNB, a Executiva Nacional rejeitou propostas mais flexíveis apresentadas por outros Estados.

Bancos irredutíveis

Em Brasília, fracassou a reunião entre representantes dos bancos e o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Vantuil Abdala, que procurava uma saída negociada para a greve.

"Lamento não ter uma notícia boa para dar, porque essa era a expectativa, mas isso não significa que estejamos decepcionados e desanimados", afirmou o ministro na sexta-feira, segundo o site do TST.

"Explicamos ao ministro Vantuil Abdala que estamos no limite dos custos para se alcançar um acordo", disse o coordenador de negociações trabalhistas da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), Magnus Apostólico.

Abdala reiterou a expectativa de que as duas partes cheguem a um acordo e alertou os representantes dos bancos que, se a paralisação chegar ao ponto de causar prejuízo à sociedade, a solução será o dissídio coletivo para julgar o movimento.

"O dissídio coletivo pode não agradar a uma parte ou a outra ou a ambas, por isso a solução negociada é sempre melhor", disse.

 

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos