Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 24 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Pára-quedista de MS morre após salto na Indonésia

10 Ago 2004 - 14h27
O pára-quedistas de Mato Grosso do Sul, José Henrique Campos Rondon, mais conhecido como “Jacaré”, faleceu após um salto na cidade de Ruan, na Indonésia. A informação é do presidente da federação dos pára-quedistas do Estado, Luiz Pantanal.

Conforme Pantanal, o pára-quedista estava há mais de um ano fora do Brasil. Ele trabalhava como instrutor nos Estados Unidos e há cerca de três meses foi trabalhar na Indonésia.

José Henrique participou junto com outros pára-quedistas do Estado de várias competições nacionais, chegando a conquistar o 2° Lugar no Campeonato Brasileiro de Salto de Pára-Quedas, na categoria TR4, em que quatro pára-quedistas devem fazer manobras e fazer figuras em apresentações no céu.

O corpo de José Henrique será cremado na Indonésia e será enviado para São Paulo onde moram familiares. O pára-quedista ainda será homenageado com um salto da equipe de MS, na propriedade de familiares no Pantanal. As cinzas de Rondon virão para o Estado e serão jogadas no céu durante o salto da equipe.
 
 
RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico