Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 18 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Pará pode ser dividido em quatro Estados

13 Jul 2007 - 16h06
O Estado do Pará pode, no futuro, ser dividido em quatro. Circulam pelo Congresso três propostas de plebiscitos que consultariam a população paraense a respeito da criação dos Estados de Marajó, Carajás e Tapajós - este último já aprovado, dependendo apenas da homologação da assembléia e aprovação do presidente da República.
Carajás será o próximo. Na semana passada, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o projeto, de autoria de Leomar Quintanilha (PMDB-TO), que em breve será submetido ao plenário. "O Pará tem o território de um país. O desenho geográfico atende à ética da colonização, e hoje temos uma realidade diferente", diz o deputado Zequinha Marinho (PMDB-PA), favorável à divisão.
Para Marinho, a criação de novos territórios beneficiaria a população pobre do Pará - o segundo maior Estado do país. "A população em torno de Belém recebe certo investimento. Mas fora disso, temos regiões que querem se emancipar, e é justo, porque eles passam muita dificuldade", afirma. O Estado tem hoje quase sete milhões de habitantes.
O Estado do Carajás englobaria o sul/sudeste paraense, região rica em minérios, assim como Tapajós, a oeste. Marajó é uma região que vive de turismo. A preocupação de alguns políticos é com relação ao Estado-mãe. "Ali, ficaria Belém e o nordeste do Estado, que vive de farinha de tapioca, produção que não leva a lugar algum", diz o senador Mário Couto (PSDB-PA). Couto afirma que a divisão é necessária, mas que a criação de novos três territórios prejudicaria o entorno da capital: "O ideal seria que ficasse Pará do norte e Pará do sul" - como aconteceu com o Mato Grosso, dividido em 1977.
Um projeto como esse tem suas implicações e interesses políticos. "Tem muita gente interessada porque seriam mais governadores, mais senadores, mais deputados", diz Mário Couto. Zequinha Marinho critica: "Temos muitos governantes que não conhecem o Estado. De Belém a Novo Progresso são 2.000 quilômetros. Até Faro, são 1.800 quilômetro. Isso não é justo", afirma.
Os projetos circulam em Brasília, mas as divisões só acontecerão se forem aprovadas em plebiscitos frente à população paraense. "A pobreza somada às distâncias, que são imensas, faz com que a representação popular dessas regiões defenda a divisão", diz o deputado Zequinha.
O senador Mário Couto faz as contas: as regiões que virariam novos territórios - e teoricamente teriam mais interesse nas divisões - somam quase três milhões de habitantes, pouco menos da metade da população do Pará. "Vai ser pau a pau, e a população precisa saber que a mudança depende dela."
 
 
Terra Magazine
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLEMICA
Funcionária de creche chamada de 'vadia' em faixa exposta em praça de MG recebe apoio
NOVA VACINA
Ministério da Saúde oferecerá nova vacina contra meningite
BONITO - MS - DICAS AGÊNCIA ECO TOUR
Conheça 10 motivos para passar suas férias em Bonito MS!
VIOLENCIA DOMESTICA
Ex-paquita acusa marido de agressão e faz desabafo na web
COPA DO BRASIL
Melhores momentos da vitória de 2x0 do Santos sobre o Vasco
E AÍ VAMOS TRABALHAR?
Como o trabalho freelancer pode mudar a sua vida
CUIDADOS COM A SAUDE
Uma fatia de bacon por dia é suficiente para ‘aumentar risco de câncer’
DEPRESSÃO PÓS PARTO
Recém-nascido é morto com facada desferida pela mãe em surto
R$ 52 MILHÕES nesta quarta (17)
Mega-Sena acumulada pode pagar R$ 52 MILHÕES nesta quarta (17)
MACABRO
Caixão é encontrado em cemitério com carne bovina, pimentas e pregos