Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 13 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Operação prorroga atuação da Força Nacional em MS

6 Ago 2010 - 14h41Por Campo Grande News
O Ministério da Justiça prorrogou por mais 90 dias a permanência da Força Nacional de Segurança nas regiões de fronteira de Mato Grosso do Sul, Amapá, Pará, Roraima, Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.

A prorrogação é decorrente da “Operação Sentinela”, realizada em parceria com a PF (Polícia Federal), para coibir o tráfico de drogas, armas e entradas de produtos ilícitos.

A portariam, assinada pelo ministro Luiz Paulo Barretos, foi publicada hoje no Diário Oficial da União. A primeira autorização para que a Força Nacional atuasse na região de fronteira data de fevereiro deste ano.

Em Mato Grosso do Sul, que faz fronteira com Bolívia e Paraguai, a operação foi desencadeada em março. As ações são realizadas nas cidades de Mundo Novo, Amambai, Ponta Porã, Bela Vista, Porto Murtinho e Corumbá.

Em todo o país, a operação prendeu 330 pessoas. A ação deve ser realizada até dezembro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede