Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 10 de dezembro de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

ONU: Brasil é mau exemplo na questão indígena

15 Jul 2004 - 14h05
O relatório anual da ONU sobre desenvolvimento humano, divulgado hoje em Bruxelas, cita o Brasil como um mau exemplo no tratamento da questão indígena. O texto cita o fato do País ter gasto US$ 7 per capita em atenção à saúde para a população indígena frente aos US$ 33 de despesa média no país.

O relatório prossegue dizendo que em muitos lugares, a despesa pública em serviços sociais discrimina às minorias e os povos indígenas e fala também sobre o México. Neste país, há 79 leitos hospitalares e 96 médicos por cada 100 mil pessoas em nível nacional, mas em áreas onde mais de duas quintas partes da população são indígenas só há 8 camas e 14 médicos.

Conforme a ONU a desigualdade na distribuição da riqueza que caracteriza a América Latina afeta principalmente a população indígena, que nesta são mais propensos à pobreza, têm esperança de vida menor e pior acesso a serviços básicos que o resto da população. Há aproximadamente 300 milhões de indígenas, distribuidos em mais de 70 países, dos quais 50 milhões vivem na América Latina, onde representam 11% da população total. Embora em países como Argentina sejam uma minoria, em outros como Bolívia e Guatemala, representam mais da metade da população total.

O relatório mostra uma diferença na esperança de vida de alguns países, que na Guatemala é de 13 anos entre a população indígena e a não indígena, no Panamá de 10 anos e no México de 6. Essa diferença também aparece no nível de pobreza, de modo que na Bolívia afeta 64% da população indígena, contra 48% da não indígena, enquanto que no Peru a proporção é de 79% e 50%, respectivamente, e no México de 81% e 19%.

Em muitos lugares, a despesa pública em serviços sociais discrimina às minorias e os povos indígenas, segundo o relatório que cita como exemplo o Brasil, onde o governo gastou US$ 7 per capita em atenção à saúde para a população indígena frente aos US$ 33 de despesa média no país. No México, há 79 leitos hospitalares e 96 médicos por cada 100 mil pessoas em nível nacional, mas em áreas onde mais de duas quintas partes da população são indígenas só há 8 camas e 14 médicos.

Outra área com deficiências é a educação e, embora se estendeu o ensino bilíngüe em alguns países, em geral carece de financiamento apesar de os estudos demonstrarem os benefícios que tem para as povoações indígenas, especialmente em educação primária, explicou Stefano Pettinato, um dos autores do relatório.

 

EFE

Deixe seu Comentário

Leia Também

FEMINICIDIO X SUICIDIO
Gerente mata ex e comete suicídio em loja de pneus
SUBIUUUU
Com post de Neymar, cantora de MS salta para 82 mil visualizações em novo clipe
MACACOHIDRAULICO MATA TRABALHADOR
Carro cai de macaco hidráulico e mata trabalhador no norte do Paraná
NATAL O BOTICÁRIO
Campanha de Natal do Boticário incentiva as pessoas a doarem amor
ESPECIAL IDB - TURISMO
Conheça a maior cachoeira do Estado e a nova trilha do passeio Boca da Onça Ecotour
POLEMICA
Silvio Santos é acusado de racismo; candidata eliminada desabafa: 'Constrangida'
INCIDENTE FATAL
Adolescente morre ao usar celular ligado na tomada para ouvir música
FAMOSIDADES
Bruna Marquezine posta de biquini e aproveita dia de sol no rio após volta para casa
ASSASSINATO
Atentado em aldeia deixa dois índios mortos e dois feridos
FAMOSIDADES
Samantha Schumutz e Marcus Majela brigam feio nos bastidores e são apartados por equipe