Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 22 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

ONU: Brasil é mau exemplo na questão indígena

15 Jul 2004 - 14h05
O relatório anual da ONU sobre desenvolvimento humano, divulgado hoje em Bruxelas, cita o Brasil como um mau exemplo no tratamento da questão indígena. O texto cita o fato do País ter gasto US$ 7 per capita em atenção à saúde para a população indígena frente aos US$ 33 de despesa média no país.

O relatório prossegue dizendo que em muitos lugares, a despesa pública em serviços sociais discrimina às minorias e os povos indígenas e fala também sobre o México. Neste país, há 79 leitos hospitalares e 96 médicos por cada 100 mil pessoas em nível nacional, mas em áreas onde mais de duas quintas partes da população são indígenas só há 8 camas e 14 médicos.

Conforme a ONU a desigualdade na distribuição da riqueza que caracteriza a América Latina afeta principalmente a população indígena, que nesta são mais propensos à pobreza, têm esperança de vida menor e pior acesso a serviços básicos que o resto da população. Há aproximadamente 300 milhões de indígenas, distribuidos em mais de 70 países, dos quais 50 milhões vivem na América Latina, onde representam 11% da população total. Embora em países como Argentina sejam uma minoria, em outros como Bolívia e Guatemala, representam mais da metade da população total.

O relatório mostra uma diferença na esperança de vida de alguns países, que na Guatemala é de 13 anos entre a população indígena e a não indígena, no Panamá de 10 anos e no México de 6. Essa diferença também aparece no nível de pobreza, de modo que na Bolívia afeta 64% da população indígena, contra 48% da não indígena, enquanto que no Peru a proporção é de 79% e 50%, respectivamente, e no México de 81% e 19%.

Em muitos lugares, a despesa pública em serviços sociais discrimina às minorias e os povos indígenas, segundo o relatório que cita como exemplo o Brasil, onde o governo gastou US$ 7 per capita em atenção à saúde para a população indígena frente aos US$ 33 de despesa média no país. No México, há 79 leitos hospitalares e 96 médicos por cada 100 mil pessoas em nível nacional, mas em áreas onde mais de duas quintas partes da população são indígenas só há 8 camas e 14 médicos.

Outra área com deficiências é a educação e, embora se estendeu o ensino bilíngüe em alguns países, em geral carece de financiamento apesar de os estudos demonstrarem os benefícios que tem para as povoações indígenas, especialmente em educação primária, explicou Stefano Pettinato, um dos autores do relatório.

 

EFE

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Menina de 7 anos é atacada por pitbull e morre na casa dos avós
CRIMINOSO FORAGIDO
Ataque com machadinha deixa alunos e professora feridos em escola
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
CONFISSÃO
Filhos investigam e descobrem que pai matou a mãe há 37 anos
MAL SUBITO
Policial militar tem mal súbito e morre no mesmo dia que descobriu que seria pai
NOVELA GLOBAL
Régis oferece vender loja para dar dinheiro a Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade