Menu
SADER_FULL
terça, 18 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Once Caldas seguro e otimista para receber o Boca Juniors

30 Jun 2004 - 13h48
Luis Fernando Montoya, técnico do Once Caldas, diz que sua equipe está segura e tranqüila para amanhã, quinta-feira, enfrentar o Boca Juniors no jogo de volta da final da Copa Libertadores, no estádio Palogrande, em Manizales, depois de ter conseguido um empate em 0-0 em Buenos Aires.

"Eu estou tranqüilo porque a equipe está segura, otimista, mas sem excesso de confiança. A torcida tem que ficar calmo porque aqui não há "já ganhou", pelo contrário, o que há é otimismo e segurança nas nossas capacidades", comentou Montoya.

O treinador colombiano ressaltou o alto nível do Boca Juniors, mas está convencido que o Once Caldas, que nunca ganhou a Copa Libertadores, tem condições de entrar na partida sem medo e destronar o atual campeão do torneio.

"Em Manizales demonstraremos que ao lado de sua torcida, em seu estádio e com a altitude, o Once tem capacidade para buscar um resultado positivo e conquistar a Copa Libertadores. Nós sabemos a capacidade do rival, mas não nos vamos esconder debaixo da mesa", disse.

Montoya não confirmou a equipe titular para enfrentar o Boca, mas já recebeu a boa notícia da presença confirmada do meia Arnulfo Valentierra, recuperado de lesão.

O técnico colombiano poderá fazer duas mudanças na equipe, com relação à que jogou na Argentina. A primeiro seria a saída de Diego Arango para a entrada Dayro Moreno, que tem características mais ofensivas.

A segunda seria a presença de Herly Alcázar em substituição a Jorge Agudelo, que ficaria como opção para o segundo tempo.

O Boca Juniors chegou ontem à noite a Pereira com força máxima, incluindo Carlos Tévez, Raúl Cascini, Fabián Vargas e Luis Perea, que não jogaram na partida de ida, mas estão muito bem cotados para voltar amanhã no estádio Palogrande.

A equipe de Carlos Bianchi se mostrou confiante no título mesmo jogando em Manizales, apesar do empate sem gols de Buenos Aires, já que eles puderam tirar vantagem da condição de visitante em outras ocasiões.

"Sabemos que esta será uma partida muito dura, mas nós viemos fazer o que o Boca sabe, que é ganhar", comentou o atacante Guillermo Barros Schelotto, que minimizou a importância da altitude, apesar dos 2.150 metros acima do nível do mar onde está localizada Manizales.

O jogo de amanhã confrontará o experiente Boca Juniors e o novato Once Caldas, que só pensa em dar à Colômbia o segundo título de uma Copa Libertadores, depois do alcançado pelo Atlético Nacional em 1989.

O jogo terá arbitragem do chileno Carlos Chandía, auxiliado pelos também chilenos Cristina Julio e Rodrigo González.

- Prováveis escalações:

Once Caldas: Juan Carlos Henao, Miguel Rojas, Samuel Vanegas, Edgar Cataño, Edwin García, Rubén Velásquez, Dayro Moreno, John Viáfara, Arnulfo Valentierra, Elkin Soto e Herly Alcázar.

Boca Juniors: Roberto Abbondanzieri; Luis Amaranto Perea, Nicolás Burdisso, Rolando Schiavi, Clemente Rodríguez; Javier Villarreal, Raúl Cascini, Fabián Vargas, Diego Cagna; Guillermo Barros Schelotto e Carlos Tevez.

Estádio: Palogrande, em Manizales

Hora: 19:15 local (21:15 de Brasília).

 

EFE

Deixe seu Comentário

Leia Também

A QUE PONTO CHEGAMOS
Mãe mata o próprio filho após ser flagrada com amante pelo menino
MINÍSTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Tereza Cristina anuncia seis secretários para Ministério
FAMOSIDADES
Silvio Santos se pronuncia sobre polêmica com Claudia Leitte e reage a campanha feminista
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'