Menu
PASSARELA
sexta, 25 de maio de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

OAB/MS decide entrar com ação contra a Lei da Pesca

29 Jun 2010 - 14h06Por OAB/MS

A OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul), vai ingressar na justiça estadual com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a Lei Estadual 3.886, promulgada em 28 de abril de 2010 (Lei da Pesca). A decisão foi aprovada por unanimidade pelo Conselho Seccional durante reunião realizada no último sábado (26).

A decisão de ingressar com a ADIN contra a Lei da Pesca, segundo Leonardo Duarte, está respaldada no parecer do presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB/MS, Abel Costa de Oliveira. “O parecer mostra que a Lei Estadual 3.886 contém alguns equívocos que podem ser questionados judicialmente, principalmente em relação à forma como foi elaborada. Além disso, ela viola o princípio da primazia da vida, a partir do momento em que prioriza o fator econômico”, argumenta.

De acordo com Duarte, a inconstitucionalidade da Lei da Pesca foi questionada inicialmente pelos deputados estaduais Paulo Duarte e Paulo Correa que protocolaram dois pedidos de representação contra o Governo do Estado. No entendimento do presidente da OAB/MS, as representações entregues pelos dois parlamentares, na realidade, refletem o clamor geral da sociedade e requer uma tomada de posição da entidade. “Tenho recebido várias manifestações contrárias à nova Lei da Pesca”, explica Leonardo, ressaltando que o assunto foi muito bem analisado pelo presidente da Comissão de Direito Ambiental, Abel Costa de Oliveira e posteriormente pelo Conselho Seccional.

Com base no parecer da Comissão de Direito Ambiental, o presidente da OAB/MS, destaca, ainda, que a Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Lei da Pesca tem que ser ajuizada porque além de afrontar o artigo 222 da Constituição Estadual, entra em conflito com as leis federais 11.959/09 e 9.605/98. “Além disso, existe a inobservância dos princípios da precaução e da prevenção, em matéria ambiental. Outro ponto que fundamenta a necessidade de uma representação contra o Estado é que essa nova lei viola o artigo 24 da Constituição Federal”, finaliza Leonardo.

No parecer aprovado pelo Conselho Seccional da OAB/MS, o presidente da Comissão de Direito Ambiental, observou que “a lei em questionamento causou um grande clamor público por parte da sociedade sul-mato-grossense, tendo em vista as possibilidades de aumento dos danos ambientais ao estado e a gravidade que se avizinha com desrespeito ao meio ambiente”, justifica Abel Costa de Oliveira.
A OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul), vai ingressar na justiça estadual com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a Lei Estadual 3.886, promulgada em 28 de abril de 2010 (Lei da Pesca). A decisão foi aprovada por unanimidade pelo Conselho Seccional durante reunião realizada no último sábado (26).

A decisão de ingressar com a ADIN contra a Lei da Pesca, segundo Leonardo Duarte, está respaldada no parecer do presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB/MS, Abel Costa de Oliveira. “O parecer mostra que a Lei Estadual 3.886 contém alguns equívocos que podem ser questionados judicialmente, principalmente em relação à forma como foi elaborada. Além disso, ela viola o princípio da primazia da vida, a partir do momento em que prioriza o fator econômico”, argumenta.

De acordo com Duarte, a inconstitucionalidade da Lei da Pesca foi questionada inicialmente pelos deputados estaduais Paulo Duarte e Paulo Correa que protocolaram dois pedidos de representação contra o Governo do Estado. No entendimento do presidente da OAB/MS, as representações entregues pelos dois parlamentares, na realidade, refletem o clamor geral da sociedade e requer uma tomada de posição da entidade. “Tenho recebido várias manifestações contrárias à nova Lei da Pesca”, explica Leonardo, ressaltando que o assunto foi muito bem analisado pelo presidente da Comissão de Direito Ambiental, Abel Costa de Oliveira e posteriormente pelo Conselho Seccional.

Com base no parecer da Comissão de Direito Ambiental, o presidente da OAB/MS, destaca, ainda, que a Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Lei da Pesca tem que ser ajuizada porque além de afrontar o artigo 222 da Constituição Estadual, entra em conflito com as leis federais 11.959/09 e 9.605/98. “Além disso, existe a inobservância dos princípios da precaução e da prevenção, em matéria ambiental. Outro ponto que fundamenta a necessidade de uma representação contra o Estado é que essa nova lei viola o artigo 24 da Constituição Federal”, finaliza Leonardo.

No parecer aprovado pelo Conselho Seccional da OAB/MS, o presidente da Comissão de Direito Ambiental, observou que “a lei em questionamento causou um grande clamor público por parte da sociedade sul-mato-grossense, tendo em vista as possibilidades de aumento dos danos ambientais ao estado e a gravidade que se avizinha com desrespeito ao meio ambiente”, justifica Abel Costa de Oliveira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMINHONEIROS MANTÉM BLOQUEIOS
Mesmo após acordo, caminhoneiros se mobilizam pelo 5º dia em vários estados
FÁTIMA DO SUL - GASOLINA ACABANDO
Filas enormes se formam no único posto que tem gasolina e vai atender a noite toda em Fátima do Sul
GREVE DOS CAMINHONEIROS
Governo e caminhoneiros chegam a acordo para trégua de 15 dias
FÁTIMA DO SUL - FOTO DO DIA
FOTO DO DIA: Fotógrafo registra de cima, produtores e apoiadores aos caminhoneiros em Fátima do Sul
GREVE DOS CAMINHONEIROS
'Governo Federal está jogando para os estados problema da greve dos caminhoneiros', diz Reinaldo
CRUELDADE
Pastor abusou, agrediu e matou filho e enteado carbonizados
DO CONTRA
Homem enfrenta caminhoneiros com motosserra em rodovia; veja o vídeo
GREVE CAMINHONEIROS
Posto do Pina que cobrou R$ 8,99 pelo litro da gasolina é interditado
DEODÁPOLIS - PONTOS FECHADOS
Em Deodápolis, acessos a Presidente Castelo (MS 145) e Dourados (MS 276) estão bloqueados
NOVELA GLOBAL
“Segundo Sol”: Roberval dá golpe em Laureta e rouba joias