Menu
SADER_FULL
quarta, 19 de junho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Novo critério do ICMS pode socorrer os municípios pobres

5 Mai 2007 - 05h24
A Assembléia Legislativa pode criar um critério social no rateio do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços para auxiliar os 31 municípios mais pobres do Estado. A alternativa foi discutida ontem em reunião entre deputados estaduais e prefeitos representantes das pequenas, médias e grandes cidades.
O encontro, uma preliminar da audiência pública agendada para segunda-feira, não chegou a um consenso sobre a nova forma de divisão dos 25% do ICMS que cabem ao Estado legislar.
Atualmente, desse percentual, 7% são partilhados igualmente entre os municípios, 5% se referem ao ICMS ecológico, 5% seguem o critério de número de eleitores, 5% consideram a extensão territorial e 3%, a receita própria. Dos 78 municípios sul-mato-grossenses, 50 têm valor adicionado (toda a movimentação financeira do município) abaixo da média de R$ 18 mil per capita/ano. Desses, 31 têm o ICMS como a maior fonte de receita e não são contemplados com nenhum dos quatro critérios especiais – recebem apenas a fatia correspondente aos 7% que é distribuída igualmente às 78 cidades de Mato Grosso do Sul. É o caso, por exemplo, de Anastácio, Aquidauana, Nioaque e Ladário.
"Esse novo critério seria constituído por 3% a ser retirado dos critérios já existentes. Esses 3% seriam para fazer um reequilíbrio social, ou seja, atender àqueles municípios que em função dos critérios anteriores estão sendo injustiçados, recebendo muito pouco, e acabam sem condições, na maioria dos casos, de manter as despesas mais elementares", explicou o deputado Júnior Mochi (PMDB).
Se os deputados e prefeitos chegarem a um consenso em torno da proposta, a Assembléia deve votar um projeto em regime de urgência para que o "critério social" seja adotado a partir do ano que vem. Caso contrário, a queda-de-braço entre os prefeitos deve permanecer e a possibilidade de mudança na partilha do bolo do ICMS fica para 2009.
Convencer os administradores municipais a abrir mão de parte de sua receita não será tarefa fácil. O prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), defendeu que o Governo do Estado auxilie as cidades mais pobres para que as demais não tenham que renunciar a uma fatia significativa, na avaliação dele, do ICMS.
 "Alguns municípios que são considerados pequenos estão sendo prejudicados, mas também tirar dos outros municípios é complicado, porque os problemas são proporcionais. O município maior tem mais problemas", resumiu o prefeito de Maracaju, Maurílio Azambuja (DEM).
 
 
 
Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

ATAQUE CANINO
Criança de dois anos é morta no quintal de casa por cachorro rottweiler
INFANTICIDIO
Padrasto teria sentado em cima da cabeça de bebê que morreu,foi espancado na cadeia
SOB INVESTIGAÇÃO
Jornalista do site Lei Seca Maricá foi assassinado com 3 tiros
VIDA SEDENTARIA
OMS alerta: Criança menor de 3 anos não deve ficar nem um minuto em tablet ou celular
HOMICIDIO X SUICIDIO
Pai que matou o filho de 4 anos e se matou não se conformava com namoro da ex-mulher
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos, com depressão comete suicídio e comove amigos
ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses
SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento