Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 15 de outubro de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Nova Lei de Falências estimulará acordo e queda de juros

20 Jul 2004 - 17h49
 

Projeto considerado o pilar da reforma econômica que está sendo realizada pelo governo federal, a nova Lei de Falências foi aprovada pelos senadores no dia 6 de julho. Depois de anos parado na Câmara, o texto foi aprovado com alterações no Senado, retornando para a Câmara dos Deputados, já que sofreu alterações. A nova legislação estimula o acordo entre trabalhadores, credores e acionistas de empresas que atravessam dificuldades financeiras, possibilitando um plano de recuperação envolvendo todas as partes interessadas.

Quanto à ordem dos créditos, os empregados com recebimento de créditos de até 150 salários mínimos terão prioridade. Em seguida, virão os credores bancários e as instituições financeiras (com garantia real), restando ao governo o fim da fila para ter quitadas as dívidas tributárias. Essa pode ter sido a alteração mais importante, por estimular a redução de juros nos empréstimos e o aumento da produção, criando novos postos de trabalho.

Para o juiz Amaury da Silva Kuklinski, que atua na Vara de Falências, Concordatas e Insolvências da Capital, esse é um ponto positivo já que amplia o leque de opções. "Hoje, verifica-se que a empresa em dificuldades tem somente as opções legais, pagar tudo em dois anos ou 50% das dívidas à vista, na concordata, que é similar ao instituto da recuperação. Com a nova lei, por exemplo, se 60% dos credores concordarem com o plano de recuperação ou com atos para viabilizar a empresa, a empresa poderá fazê-lo sem problemas", esclarece.

Para melhor entendimento, o magistrado esclareceu que falência é a liquidação de uma empresa economicamente inviável (venda dos bens para pagamento das dívidas), e a concordata a única possibilidade de recuperação legal da empresa, mas nas modalidades previstas somente. A jurisprudência já admitia a oitiva dos credores e facultava até a apresentação de plano de recuperação da empresa. Tudo será disciplinado na nova legislação, que permitirá ao devedor mais que a suspensão ou redução das dívidas relativas aos títulos de crédito (créditos quirografários).

"Esse era o grande problema. A lei procurava evitar "desvios de bens e outras atitudes inidôneas", mas o rigor processual em vista dos cuidados na alienação são tão grandes que cumprir as exigências leva anos quando existem muitos bens numa falência. Da mesma forma a legislação hoje admite que qualquer credor impugne qualquer credor sem custo, o que gera uma miríade de procedimentos muitas vezes desnecessários. Tais circunstâncias hoje não se justificam mais", acrescenta ele.

A nova lei modifica uma legislação que vigora desde 1945 e, com isso, o governo acredita ser possível impedir falências fraudulentas. De acordo com números da USP, o volume de crédito disponível para o setor privado no Brasil é um dos mais baixos do mundo e a justificativa é que a lei atual impede os bancos de executarem suas garantias quando a empresa entra em concordata - para se defender da pouca garantia, os credores aplicam juros maiores ou negam o crédito.

"O que se propõe, com a nova lei, é a tentativa de recuperação extrajudicial. Credores e devedor se reúnem, entram em acordo e homologam essa decisão no Judiciário. Ou o acordo pode ser feito em juízo diretamente com a participação de todos. A vantagem é que estas circunstâncias inibem o abuso de credores particulares, que era a reclamação preponderante da legislação anterior (Decreto nº 5.746/29).

Com a lei atual o Estado impediu os abusos, mas regulamentou de forma excessiva os procedimentos, engessando o modelo, impondo exigências que poucas empresas podem cumprir para a recuperação, e uma forma muito longa de liquidação, além da falta de especialização na questão. Na verdade, moralizou, mas dificultou ao extremo", explica o juiz.

Amaury contou que são raros os casos em que empresas pedem concordata - não passam de dois por ano. "A falha que eu vejo nesse projeto pode ser traduzida numa pergunta: quem vai entrar com o dinheiro? Se uma empresa for concordatária, quem venderá para a empresa? A lei atual parte do pressuposto de que toda situação de dificuldade é gerada pela má administração e isso não é verdade. A maioria "quebra" por diferentes motivos - faltou pesquisa de mercado antes de abrir, falta nicho para o produto, a recessão, enfim, não se pode atribuir a culpa somente ao administrador", complementa.

Para o magistrado, os legisladores de nova Lei preocuparam-se mais com as grandes empresas, aquelas que têm tecnologia de ponta. "Com a aprovação da nova lei, os pequenos e microempresários ficaram desabrigados, embora a futura interpretação da norma possa solucionar, como é o caso atual, tudo que não for contemplado, até por eqüidade, o que já se aplica na lei atual. A questão é financeira, grandes dívidas = grandes interesses. O microempresário tem capital e dívidas pequenos, mas o resultado final é apreciável. Acredito que a situação para os pequenos será ainda mais difícil", opina.

O governo acredita que está aprovando um instrumento que contribuirá de forma decisiva para a queda dos juros. O Dr. Amaury acredita que isso pode acontecer. "É uma tentativa de diminuir os riscos para o investidor. Pela lei atual, somente o credor quirografário (aquele que nunca recebe por que existem muitas classes de credores antes dele) pode pedir a falência e a Vara de Falências, Concordatas e Insolvências é o último recurso para receber o crédito.

A interpretação geral do quadro de credores hoje desafia qualquer um, existindo diversas interpretações, esperando-se que a nova lei deixe a situação mais clara e lógica. Se os acordos advindos da nova lei vão funcionar, não sei, mas é uma tentativa", conclui. Serasa - Segundo dados recentes da Serasa, o volume de falências decretadas em todo o país diminuiu 2,8% de janeiro a abril de 2004 em relação ao mesmo período de 2003. Foram decretadas 1.483 falências de janeiro a abril de 2004, contra 1.525 falências no primeiro quadrimestre de 2003.

 

Mídia Max News

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
Rapaz agride avós de adolescente que não quis namorar com ele; avó morreu
TRAGEDIA NA RODOVIA
Carro ocupado por sete pessoas se envolve em acidente; cinco morreram
REVOLTANTE
Menina de 11 anos é estuprada por detento ao visitar irmão em presídio
ACIDENTE FATAL
Douradense morre em acidente no RS
REALITY SHOW
A Fazenda 10: Ana Paula é eliminada e se manifesta contra Bolsonaro
FACÇÃO CRIMINOSA
Decapitada por Satã do PCC, jovem morreu por exigir respeito após roubo de chinelo
REVISTA VEJA
Pesquisa: Bolsonaro tem 54% dos votos válidos; Haddad, 46%
A FAZENDA
Fazendeiro Evandro Santo gera nova punição
COPA DO BRASIL
Corinthians promete maior prêmio de sua história por título
VIOLENCIA
Jovem não reage a assalto mesmo assim é baleado dentro de ônibus