Menu
SADER_FULL
terça, 20 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Negociação deverá reger esforço concentrado de setembro

30 Ago 2004 - 10h44
Os líderes da Base Aliada e da Oposição avaliam que será preciso muita negociação para que o esforço concentrado de setembro, que será realizado de 13 a 17, seja bem sucedido, principalmente por causa da proximidade das eleições.
Para o líder do PT na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (SP), não se pode negar que o processo eleitoral consome muito tempo dos parlamentares, o que, em sua opinião, é normal. Ele reconhece que, nesta fase, mesmo quando os parlamentares comparecem a Brasília, não conseguem ficar durante toda a semana, o que afeta o quorum para as votações. "Seria prematuro antecipar um eventual sucesso porque, quanto mais próximo da data das eleições, mais tensão existe e aí os deputados se envolvem cada vez mais no processo eleitoral. Acho que nós temos que fazer uma tentativa, fazer todo o esforço para dar certo, porque, da mesma maneira que as eleições são importantes, vários temas na Casa também o são", concluiu.

Pauta especial
Entre as matérias adiadas para setembro estão a nova Lei de Falências (PL 4376/93), o projeto das agências reguladoras (PL 3337/04) e o projeto que cria o programa Universidade para Todos (PL 3582/04). Também serão incluídos na pauta cinco acordos internacionais assinados pelo governo brasileiro. Até o início da semana especial, seis medidas provisórias trancarão a pauta do Plenário.
O segundo esforço concentrado da Câmara durante o período pré-eleitoral, realizado de 23 a 27 de agosto, acabou prejudicado pela obstrução promovida pela Oposição. Os impasses foram provocados pelo projeto que cria o Conselho Federal de Jornalismo (PL 3985/04) e pela medida provisória que concede status de ministro ao presidente do Banco Central (MP 207/04). Apesar das tentativas de acordo promovidas pelo presidente João Paulo Cunha, os deputados conseguiram votar apenas uma medida provisória — a MP 191/04, que inclui os cientistas e pesquisadores entre os beneficiários de isenções de impostos na importação de máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos destinados à pesquisa.

Oposição em obstrução
Para o vice-líder do PFL, deputado Pauderney Avelino (AM), enquanto o Governo não voltar atrás com relação a essas medidas, a Oposição vai continuar obstruindo e, novamente, o esforço concentrado será em vão.
Sem o entendimento com a Base Aliada, o deputado acredita que será praticamente impossível votar temas polêmicos na Casa, mesmo porque ele concorda que setembro é um período complicado - a reta final das eleições. O Governo, na avaliação do vice-líder do PFL, deveria evitar a votação de matérias polêmicas nesse mês. "Acho que setembro tem que ser um mês ameno, mesmo porque há muitas brigas, principalmente locais, que envolvem os partidos que compõem a Base Aliada no Congresso Nacional e que nos estados são adversários", explica.
Pauderney Avelino lembra ainda que outras matérias importantes como os destaques da PEC Paralela da Previdência e a PEC do Trabalho Escravo dificilmente entrarão na pauta de setembro porque precisam de um quorum mais alto, o que, avalia, não será possível nesse período.
 
 
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade
100 TETO
Na busca por emprego, homem 'mora' em abrigo de papelão
PÂNICO NO ÔNIBUS
Atirador de Elite mata homem que fez reféns em ônibus
AGORA DEU MEDO
Velório é interrompido após morto 'apertar' mão da esposa
TRAGEDIA NA RODOVIA
Três pessoas morrem em acidente envolvendo carro e caminhão na BR-277
FATALIDADE
Jovem mulher morre ao levar choque usando o secador de cabelos
ABSURDO - BRASIL
Mulher mata o marido a facadas e leva pênis para a amante dentro de um copo
MORTE E COMOÇÃO
Jovem caminhoneira morre em acidente e comove colegas de toda a região
FACULDADE
Irmãs estudantes de engenharia vendem doces nos trens do Rio para se sustentar