Menu
SADER_FULL
domingo, 20 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

"Não vou mais fazer favor ao governo", diz ACM

8 Out 2004 - 16h39
Inconformado com a possibilidade de perder o comando político em Salvador e com a derrota sofrida em grandes cidades (Vitória da Conquista, Ilhéus e Camaçari), o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL), 77, disse ontem que o governo "vai pagar um preço alto pelo jogo sujo que fez na Bahia".
   
   "Jogaram muito dinheiro nas campanhas, aconteceu um cinismo nunca visto. A partir de agora, não vou mais fazer favor ao governo, não serei mais obrigado a ajudar o governo a aprovar determinados projetos que são de seu interesse", disse o senador.
   
   ACM fez questão de poupar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva das críticas, mas foi irônico. "Não tenho uma palavra contra o presidente, mas também não sei se o que fizeram foi mesmo à revelia dele."
   
   A bateria de críticas do senador baiano tem endereço certo --os ministros José Dirceu (Casa Civil), Humberto Costa (Saúde) e o presidente do PT, José Genoino. "José Dirceu fechou os olhos. Se ele é o gerente do governo, e se tudo foi feito sem o conhecimento dele, é muito triste."
   
   O presidente nacional do PT responde: "Não vou polemizar com o senador porque entendo a razão dessa frase impensada. É um problema de Salvador. Não merece uma resposta à altura", disse Genoino.
   
   Para Antonio Carlos Magalhães, José Genoino "não tem a estatura de presidente de partido" e Humberto Costa só sabe favorecer "os seus parceiros". "Ele é o vampiro da saúde", disse, referindo-se às denúncias sobre comercialização de sangue envolvendo o Ministério da Saúde.
   
   De acordo com ACM, a decisão do PT baiano de apoiar o deputado estadual João Henrique Carneiro (PDT) no segundo turno para a Prefeitura de Salvador não foi o fator fundamental para a sua tomada de posição. "Quem derrotou o Pellegrino foi o próprio PT. Agora, querem criar um manto para fugir da crise."
   
   Carneiro vai disputar o segundo turno da sucessão municipal com o senador César Borges (PFL), que tem o apoio de ACM. Através de sua assessoria, o deputado federal Nelson Pellegrino disse que não ficou surpreso com a reação do senador baiano. "Como mostrei na campanha, ACM serviu e traiu a muitos presidentes. Ele sempre agiu de acordo com as suas conveniências."
   
   ACM também disse que o presidente Lula já deixou claro "que não pode governar sem a maioria". "Quando contou com a minha colaboração em alguns projetos, como na reforma previdenciária, o governo ganhou.
   Quando fiquei neutro ou fui contra, como no caso dos bingos, o governo perdeu feio."
 
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS