Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de novembro de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

MST quer reduzir tamanho de lotes em assentamentos

28 Abr 2007 - 10h24

Ao ver estagnado o número de acampados desde o início da primeira gestão petista, o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) quer agora que o governo federal diminua o tamanho dos lotes para conseguir espremer o máximo de lavradores em novos projetos de assentamento.

Ciente dos limites do governo Lula para avançar com a reforma agrária, o MST sugere que o Incra encaixe o maior número possível de sem-terra nas áreas desapropriadas.

O movimento sofre pressão da base para que o governo acelere o assentamento dos acampados. Quer evitar, por exemplo, que um acampamento com 200 famílias se transforme em assentamento para 150.

Hoje a média nacional é de 34 hectares por lote. Esse número tende a ser maior no Norte, onde há extensões de terras públicas federais disponíveis, e menor no Sul, no Sudeste e no Nordeste, onde está a base do MST e as áreas desapropriáveis são cada vez mais raras.

Já houve casos, em Mato Grosso do Sul e São Paulo, que, após uma negociação com os sem-terra, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) dividiu um assentamento em lotes de 11 hectares e 8 hectares, por exemplo.

A idéia do MST é que o aperto nos lotes seja compensado com a proximidade dos novos assentamentos de centros estruturados, com estrada de acesso e infra-estrutura.

"Com os lotes menores, diminui-se mais rápido o número de acampados. Mas isso sempre tem que ser feito acompanhado da proximidade dos assentamentos a centros estruturados, para garantir o escoamento da produção", disse Marina dos Santos, da coordenação nacional do MST.
Para Rolf Hackbart, presidente do Incra, a diminuição dos lotes somente ocorrerá diante da possibilidade técnica.

"O tamanho da área por família tem que ser o resultado de um conjunto, como formas de produção, clima, condições do solo, proximidade com centros estruturados", disse Hackbart.

Carta a Lula - A sugestão do MST faz parte de uma carta a Lula, protocolada no Planalto. "Precisamos de um novo modelo de assentamentos que amplie o número de famílias assentadas numa mesma área", afirma o texto.

O número de acampados do MST explodiu após a eleição de Lula, em 2002. Milhares de famílias ergueram barracos de lona às margens de rodovias com a expectativa de uma reforma agrária ampla e de curto prazo.

Em seis meses, o número de acampados subiu de 70 mil para 200 mil famílias. A maioria dos acampados, porém, está em regiões nas quais o governo federal não conseguiu avançar com a reforma agrária.

 

 

 

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
Em 'A dona do pedaço', Camilo tenta estuprar Vivi e morre
ABSURDO
Mulher usa o filho de um ano para entrar em presídio com celular
100 EDUCAÇÃO
Quem sabe xinga ao vivo: Faustão chama funcionário de imbecil no ar
ACIDENTE AÉREO FATAL
Médico, filha e piloto são os mortos da queda de avião. Esposa está em estado gravíssimo
TRAGÉDIA AÉREA
Tragédia matou Marcela e Maysa, filhas do homem que abriu a comunicação de MS
NOVELA GLOBAL
Cinco casamentos agitam fim de 'A dona do pedaço'
PROCURADO
Interpol emite alerta vermelho para prender ator acusado de estupro que fugiu para o Brasil
ESPORTE
Os maiores ídolos da Fórmula 1
FÁTIMA DO SUL - NATAL NA CACAU SHOW
Já é Natal na Cacau Show, confira e faça sua reserva dos deliciosos panettones em Fátima do Sul
OBESIDADE MORBIDA
Mulher de 230 quilos pede ajuda: ‘Está muito difícil minha vida’