Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 14 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

MST quer reduzir tamanho de lotes em assentamentos

28 Abr 2007 - 10h24

Ao ver estagnado o número de acampados desde o início da primeira gestão petista, o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) quer agora que o governo federal diminua o tamanho dos lotes para conseguir espremer o máximo de lavradores em novos projetos de assentamento.

Ciente dos limites do governo Lula para avançar com a reforma agrária, o MST sugere que o Incra encaixe o maior número possível de sem-terra nas áreas desapropriadas.

O movimento sofre pressão da base para que o governo acelere o assentamento dos acampados. Quer evitar, por exemplo, que um acampamento com 200 famílias se transforme em assentamento para 150.

Hoje a média nacional é de 34 hectares por lote. Esse número tende a ser maior no Norte, onde há extensões de terras públicas federais disponíveis, e menor no Sul, no Sudeste e no Nordeste, onde está a base do MST e as áreas desapropriáveis são cada vez mais raras.

Já houve casos, em Mato Grosso do Sul e São Paulo, que, após uma negociação com os sem-terra, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) dividiu um assentamento em lotes de 11 hectares e 8 hectares, por exemplo.

A idéia do MST é que o aperto nos lotes seja compensado com a proximidade dos novos assentamentos de centros estruturados, com estrada de acesso e infra-estrutura.

"Com os lotes menores, diminui-se mais rápido o número de acampados. Mas isso sempre tem que ser feito acompanhado da proximidade dos assentamentos a centros estruturados, para garantir o escoamento da produção", disse Marina dos Santos, da coordenação nacional do MST.
Para Rolf Hackbart, presidente do Incra, a diminuição dos lotes somente ocorrerá diante da possibilidade técnica.

"O tamanho da área por família tem que ser o resultado de um conjunto, como formas de produção, clima, condições do solo, proximidade com centros estruturados", disse Hackbart.

Carta a Lula - A sugestão do MST faz parte de uma carta a Lula, protocolada no Planalto. "Precisamos de um novo modelo de assentamentos que amplie o número de famílias assentadas numa mesma área", afirma o texto.

O número de acampados do MST explodiu após a eleição de Lula, em 2002. Milhares de famílias ergueram barracos de lona às margens de rodovias com a expectativa de uma reforma agrária ampla e de curto prazo.

Em seis meses, o número de acampados subiu de 70 mil para 200 mil famílias. A maioria dos acampados, porém, está em regiões nas quais o governo federal não conseguiu avançar com a reforma agrária.

 

 

 

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Concursos oferecem mais de 1 mil vagas e salários de até R$ 6,6 mil no MS
NOVA EQUIPE
Bolsonaro intensifica processo de transição esta semana em Brasília