Menu
SADER_FULL
sexta, 18 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

MST quer reduzir tamanho de lotes em assentamentos

28 Abr 2007 - 10h24

Ao ver estagnado o número de acampados desde o início da primeira gestão petista, o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) quer agora que o governo federal diminua o tamanho dos lotes para conseguir espremer o máximo de lavradores em novos projetos de assentamento.

Ciente dos limites do governo Lula para avançar com a reforma agrária, o MST sugere que o Incra encaixe o maior número possível de sem-terra nas áreas desapropriadas.

O movimento sofre pressão da base para que o governo acelere o assentamento dos acampados. Quer evitar, por exemplo, que um acampamento com 200 famílias se transforme em assentamento para 150.

Hoje a média nacional é de 34 hectares por lote. Esse número tende a ser maior no Norte, onde há extensões de terras públicas federais disponíveis, e menor no Sul, no Sudeste e no Nordeste, onde está a base do MST e as áreas desapropriáveis são cada vez mais raras.

Já houve casos, em Mato Grosso do Sul e São Paulo, que, após uma negociação com os sem-terra, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) dividiu um assentamento em lotes de 11 hectares e 8 hectares, por exemplo.

A idéia do MST é que o aperto nos lotes seja compensado com a proximidade dos novos assentamentos de centros estruturados, com estrada de acesso e infra-estrutura.

"Com os lotes menores, diminui-se mais rápido o número de acampados. Mas isso sempre tem que ser feito acompanhado da proximidade dos assentamentos a centros estruturados, para garantir o escoamento da produção", disse Marina dos Santos, da coordenação nacional do MST.
Para Rolf Hackbart, presidente do Incra, a diminuição dos lotes somente ocorrerá diante da possibilidade técnica.

"O tamanho da área por família tem que ser o resultado de um conjunto, como formas de produção, clima, condições do solo, proximidade com centros estruturados", disse Hackbart.

Carta a Lula - A sugestão do MST faz parte de uma carta a Lula, protocolada no Planalto. "Precisamos de um novo modelo de assentamentos que amplie o número de famílias assentadas numa mesma área", afirma o texto.

O número de acampados do MST explodiu após a eleição de Lula, em 2002. Milhares de famílias ergueram barracos de lona às margens de rodovias com a expectativa de uma reforma agrária ampla e de curto prazo.

Em seis meses, o número de acampados subiu de 70 mil para 200 mil famílias. A maioria dos acampados, porém, está em regiões nas quais o governo federal não conseguiu avançar com a reforma agrária.

 

 

 

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares