Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 16 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

MST: acordo Mercosul-UE prejudica agricultor

20 Out 2004 - 14h35
Cerca de 100 manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) fazem protesto em frente ao Itamaraty contra as negociações do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, participa da reunião Mercosul-União Européia, nesta quarta-feira em Lisboa, Portugal. No encontro, serão avaliadas as ofertas apresentadas pelos dois grupos e o andamento das negociações sobre o acordo de livre comércio entre os blocos econômicos.

“Esse acordo tem sido discutido às pressas e a sociedade brasileira não tem participado do debate sobre o acordo. Se ele for assinado do jeito que está, vai prejudicar amplos setores da sociedade brasileira e beneficiar poucos segmentos, que são os do agronegócio exportador”, afirma Rogério Mauro, da coordenação nacional do MST.

Segundo Mauro, os principais prejudicados com o acordo serão os pequenos agricultores. "As perdas serão grandes, principalmente no caso do leite, onde estão diminuindo as tarifas de importação do produto. Isso pode representar a quebradeira de milhares de produtores no país. Além de causar o desemprego e o êxodo rural", afirmou.

Os manifestantes fixaram uma faixa na entrada do palácio com os dizeres: “Soberania SIM. Livre comércio Não”. Além de protestar contra o acordo, com gritos exaltados, os manifestantes fizeram uma roda e cantaram em favor da reforma agrária. Eles encenaram também uma peça teatral enfatizando as riquezas do Brasil e como os governantes, usualmente, as colocam em leilão.

Mauro também lembrou o encontro dos representantes da Via Campesina – organização que reúne movimentos sociais ligados aos pequenos produtores e trabalhadores rurais sem terra – com os ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim, e do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, para tratar da negociação em torno do livre comércio. Durante o encontro, os ministros garantiram que o governo brasileiro não vai abrir o mercado para países que concedam subsídios ao setor agrícola. Segundo ele, o verdadeiro resultado da reunião vai ser conhecido depois que o ministro Amorim chegar de Portugal.

O presidente da Comissão do Mercosul na Câmara dos Deputados, Dr. Rosinha (PT-PR), também apareceu na manifestação. Ele endossou as críticas do MST. “Sou contra o acordo no nível em que está se dando. Uma negociação sem transparência vai contra a soberania nacional e os interesses da maioria do povo brasileiro. Em todas as áreas, está contra o interesse da sociedade brasileira. Destrói a produção de alho, cebola, milho e tudo que envolve a pequena agricultura”, lembra.

O deputado ressalta que o acordo vai beneficiar somente os monopólios de produção. “A produção poderá aumentar na ordem de US$ 2,5 bilhões e com uma visão pessimista, de no máximo US$ 1 bilhão. Entretanto, ao destruir a exportação e a agricultura familiar, estamos no prejuízo, porque essa destruição não compensa esse pequeno ganho em curto prazo.”
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA
“Tentei socorrer ele, mas não deu certo”: conta filho de motociclista levado por enxurrada
FURIA DA NATUREZA
Enxurrada derruba casa e provoca pânico e destruição
NOVELA GLOBAL
Gabriel e Valentina viram inimigos mortais em 'O sétimo guardião'
REALITY SHOW
BBB 19 começa hoje. Na Rocinha Casa de Darnrley vira "QG" de Torcida
POSSE DE ARMAS
Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto que facilita posse de armas
HEROINA
Professora Helley, que salvou crianças de incêndio em Janaúba, é homenageada e dá nome a rodovia
FAMOSIDADES
Doente, José Mayer foi esquecido pela Globo e abandonado por ‘Amigos’
NOVA LEI
Motoristas condenados por contrabando vão perder a CNH por cinco anos
SUCATA
Jovem transforma pneus velhos em lindas caminhas para pets.
ENTRETENIMENTO
Com direito a uniforme e crachá, “cão frentista” viraliza e ganha milhares de fãs