Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

MS tem mais de 526 km de rodovias federais precárias

18 Ago 2004 - 10h21
 

O Mato Grosso do Sul soma 526,2 quilômetros de rodovias federais em situação precária, em sete trechos diferentes nas BRs 262, 163, 267 e 158. A extensão, onde o DNIT (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte) recomenda cuidado, possibilitaria trafegar entre buracos, desníveis de pista, trilhas de rodas, sinalização vertical e horizontal precária, sem acostamento ou com acostamento defeituoso, saindo da Capital e atravessando o Estado em qualquer sentido.

A quilometragem com problemas representa quase 15% do total de 3.576 quilômetros de rodovias federais existentes em Mato Grosso do Sul. A que exige maior atenção é a BR-262, onde 226,5 quilômetros contínuos são divididos em dois trechos de nível de dificuldade no levantamento divulgado pelo DNIT este mês. O primeiro, do KM-556,5 ao 704,5, na região de Miranda e início da travessia do Rio Paraguai, é marcado pelo alto índice de buracos, especialmente a partir do KM-608, sendo que ainda não tem acostamento até o KM-712. Além do que, há desnível na pista, do KM-640 até o KM-665 e do KM-702 até o KM-710.

O segundo trecho dá seqüência do KM-704,5 e vai até o KM-783, até a fronteira Brasil/Bolívia. Ao se dirigir por ali é requerida atenção redobrada, porque ainda há o trânsito de animais na pista, visto que já está dentro do Pantanal sul-mato-grossense. Como se não bastasse, não há acostamento, a sinalização vertical e horizontal está precária, pista com defeitos e grande incidência de buracos do KM-714 ao KM-722, passando por “quantidades moderadas” de buracos, conforme o DNIT, seguindo do KM-722 até o KM-780.

A BR-267 é a segunda no ranking das piores BRs no Estado, tem 226 quilômetros de trechos precários, apenas 0,5 quilômetro a menos que a 262. São três trechos, o primeiro já vai do início, na divisa com São Paulo, até o KM-30,2, na região de Bataguassu. Nos primeiros 2,55 quilômetros, o motorista já enfrenta pavimento trincado nas juntas de dilatação, com segmento em estado precário e buracos localizados por quase mais outros 30 quilômetros.

O segundo trecho tem mais quase 95 quilômetros de dificuldades, até o KM-60, com reparos localizados e buracos; e a partir daí até o KM-125 em estado precário, com remendos, buracos, trilhas de rodas, pista irregular e acostamento com defeitos, além de placas de sinalização encoberta pela vegetação. O terceiro tem mais de 100 quilômetros, continuando do 125 até o 226.

Na BR-267, do KM-125 ao 145, repetem-se os reparos localizados e buracos. Prosseguindo depois até o KM-210 em estado precário, com remendos, buracos, trilhas de rodas, pista irregular e acostamento com defeitos. E seguindo até o KM-226, remendos e buracos, mas ainda assim considerado em estado regular pelo DNIT. Depois vem a BR-157, com 57,5 quilômetros para tráfego em condições de cuidado, conforme recomenda o departamento, mas neste ponto por um motivo livre de lamentos pelos motoristas, pois ali foram reinicias as obras de pavimentação do KM-193,7 ao KM-216,19.

Motivo para preocupação não falta também na área urbana, porque o Anel Viário da Capital tem pelo menos 16,2 quilômetros da BR-163 por onde qualquer motorista preferiria não precisar trafegar. Este trecho da BR-163 está compreendido entre o entroncamento com a BR-060, saída para São Paulo; até o entroncamento com a BR-262, saída para Três Lagoas. O Anel Viário de Campo Grande possui aí pista irregular, com muitos defeitos, inclusive sinalização vertical e horizontal deficientes. E o DNIT recomenda aos condutores atenção e não abusar da velocidade.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho