Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 17 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

MS pode transformar pastagens degradadas em áreas de reflorestamento

6 Ago 2010 - 06h21Por Fátima News com assessoria

A silvicultura é um setor em crescimento no Estado, isso pode ser verificado pela demanda para os próximos cinco anos, que é de 500 mil hectares de florestas plantadas. Parte dessa demanda vem da mineradora Vetorial, que produz ferro-gusa e que junto com a Ramires Reflorestamento procurou a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) para que seja estudada a possibilidade de utilização das áreas de pastagens degradadas para o plantio de eucalipto.

Com a instalação de indústrias que utilizam madeira de reflorestamento e o lançamento do Plano Estadual de Florestas, Mato Grosso do Sul tornou-se um ponto estratégico para o desenvolvimento da atividade. Um ponto importante é que mesmo com a crescente demanda, o Estado pode atendê-la sem prejuízo de outras atividades produtivas. Isso porque a Secretaria de Produção e Turismo (Seprotur) calcula em 9 milhões de hectares a área de pastagem degradada. De acordo com o superintendente da Famasul, Carlos Alberto do Valle, uma primeira reunião de aproximação foi realizada com a participação de produtores que possam investir no setor dos municípios de Anastácio, Aquidauana, Bodoquena, Bonito, Corumbá, Dois Irmãos do Buriti e Nioaque.

“A possibilidade das florestas plantadas são muitas. Não há redução de mata nativa e utilização de madeira de reflorestamento ao invés do carvão mineral pelas usinas tem um impacto ambiental muito menor”, explica o superintendente da Famasul. O projeto da vetorial visa o plantio de 60 mil hectares em MS, destes, 25 mil devem estar plantados até o início de 2011. A empresa pretende aproveitar a área de pastagens degradadas, que no Estado não precisam de licença ambiental para receber florestas plantadas.

Para os produtores que optarem pelo arrendamento de suas terras, o contrato será de no mínimo 21 anos e o proprietário fica livre das obrigações operacionais, ambientais e trabalhistas da atividade. A remuneração fixa segue a referência da pecuária e o proprietário receberá um percentual de madeira para vender a valores de mercado, podendo chegar a uma boa participação sobre a produção.

No Brasil, o tempo de crescimento do eucalipto é de sete anos, o que torna o País muito competitivo no segmento de silvicultura. Introduzir a atividade no Estado significa diversificação. “É importante que o produtor não se restrinja a uma atividade apenas, pois em um momento de crise há sempre outro produto que possa compensar perdas”, conclui Carlos Alberto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OUTROS 10 ESTADOS
Horário de verão termina à meia-noite; relógios devem ser atrasados em 1h
BARBÁRIE
Rosane Santiago Silveira, torturada e morta em sua própria casa
CARRO DE APLICATIVO
Mulher é estuprada após aceitar água e bala em carro de app
VIOLENCIA DOMESTICA
Enquanto Lírio Parisotto era condenado, Luiza Brunet discutia campanha contra violência doméstica
CANALHA
Criança de 4 anos é estuprada no próprio aniversário
HORARIO DE VERÃO
Atrase seu relógio! Horário de verão termina neste sábado(16)
CARCERE PRIVADO
Mulher é chicoteada com fio elétrico pelo marido
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Lutador de MMA mata ex de 16 anos, tenta suicídio e morre horas depois em hospital
VIOLENCIA NO RIO
Menina de 11 anos é baleada e morta em Triagem; moradores protestam
DOENÇA GRAVE
Leiliane ganha acompanhamento médico após desastre com Boechat