Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 18 de junho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

MS pode transformar pastagens degradadas em áreas de reflorestamento

6 Ago 2010 - 06h21Por Fátima News com assessoria

A silvicultura é um setor em crescimento no Estado, isso pode ser verificado pela demanda para os próximos cinco anos, que é de 500 mil hectares de florestas plantadas. Parte dessa demanda vem da mineradora Vetorial, que produz ferro-gusa e que junto com a Ramires Reflorestamento procurou a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) para que seja estudada a possibilidade de utilização das áreas de pastagens degradadas para o plantio de eucalipto.

Com a instalação de indústrias que utilizam madeira de reflorestamento e o lançamento do Plano Estadual de Florestas, Mato Grosso do Sul tornou-se um ponto estratégico para o desenvolvimento da atividade. Um ponto importante é que mesmo com a crescente demanda, o Estado pode atendê-la sem prejuízo de outras atividades produtivas. Isso porque a Secretaria de Produção e Turismo (Seprotur) calcula em 9 milhões de hectares a área de pastagem degradada. De acordo com o superintendente da Famasul, Carlos Alberto do Valle, uma primeira reunião de aproximação foi realizada com a participação de produtores que possam investir no setor dos municípios de Anastácio, Aquidauana, Bodoquena, Bonito, Corumbá, Dois Irmãos do Buriti e Nioaque.

“A possibilidade das florestas plantadas são muitas. Não há redução de mata nativa e utilização de madeira de reflorestamento ao invés do carvão mineral pelas usinas tem um impacto ambiental muito menor”, explica o superintendente da Famasul. O projeto da vetorial visa o plantio de 60 mil hectares em MS, destes, 25 mil devem estar plantados até o início de 2011. A empresa pretende aproveitar a área de pastagens degradadas, que no Estado não precisam de licença ambiental para receber florestas plantadas.

Para os produtores que optarem pelo arrendamento de suas terras, o contrato será de no mínimo 21 anos e o proprietário fica livre das obrigações operacionais, ambientais e trabalhistas da atividade. A remuneração fixa segue a referência da pecuária e o proprietário receberá um percentual de madeira para vender a valores de mercado, podendo chegar a uma boa participação sobre a produção.

No Brasil, o tempo de crescimento do eucalipto é de sete anos, o que torna o País muito competitivo no segmento de silvicultura. Introduzir a atividade no Estado significa diversificação. “É importante que o produtor não se restrinja a uma atividade apenas, pois em um momento de crise há sempre outro produto que possa compensar perdas”, conclui Carlos Alberto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses
SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados
VENENOSA
Agricultor é picado por cobra jararaca
FORÇA DE VONTADE
Advogado que pedia emprego na rua é contratado e ganha pós-graduação
CASO DE POLÍCIA
Filho mata a mãe e rouba seu cartão para comprar cocaína