Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
MATO GROSSO DO SUL

MS perde investimentos de R$ 14 bilhões com restrição a estrangeiros

Mato Grosso do Sul já perdeu investimentos de R$ 14 bilhões

17 Set 2013 - 09h19Por Campo Grande News

Mato Grosso do Sul já perdeu investimentos de R$ 14 bilhões com a limitação na aquisição de terras por empresas estrangeiras. A restrição ocorreu em 2010, quando a AGU (Advocacia Geral da União) mudou a interpretação da lei de 1971 em nome da soberania nacional.

Na esperança de garantir outros R$ 15 bilhões, que estão engatilhados nas áreas de celulose, floresta e cana-de-açúcar, o governador André Puccinelli (PMDB) encaminhou nova proposta para a presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Ele pede a liberação dos investimentos para empresas que gerem mais de 2 mil empregos e incrementem o desenvolvimento industrial de uma região.

Por meio da assessoria de imprensa, a secretária estadual de Produção, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, desde a restrição imposta pela interpretação do advogado geral da União, Luís Inácio Adams, o Estado já perdeu R$ 14 bilhões em investimentos. No entanto, ela apenas destacou que foram projetos nas áreas de florestal, celulose e etanol.

Em 2011, a Portucel, multinacional portuguesa de celulose, desistiu de investir US$ 4 bilhões na implantação de uma fábrica entre Bataguassu e Santa Rita do Pardo. O grupo desistiu porque não podia comprar 130 mil hectares de terra para o plantio de eucalipto. O máximo permitido pela lei é de 5 mil hectares. A Portucel ganhou incentivos e terra para se instalar em Moçambique.

Outra empresa que pode abandonar o Estado é a empresa chilena Arauco Celulose, que estuda investir R$ 4 bilhões na instalação de uma nova fábrica de celulose em Três Lagoas. A cidade já é conhecida como “capital da celulose” por causa dos investimentos feitos pela Eldorado e Fibria.

Esperanças – Há três anos, o governador luta para mudar a interpretação da Lei 5.709/1971, que restringiu a compra de terras por empresas estrangeiras. “Os Estados perdem muitos recursos com esta proibição, tínhamos feito uma levantamento antigo que previa perdas de até R$ 15 bilhões, no entanto podemos mudar esta situação pedindo que haja esta revisão e sejam cobrados estes critérios”, destacou André.

De acordo com o governador, estas empresas funcionariam como “barriga de aluguel”, pois só teriam o direito de ter seu registro em cartório com investimento no setor industrial e gerando dois a três mil empregos. “Seria o atestado de boa índole, poderíamos trazer novos investimentos para o Estado”.

André lembrou que uma empresa chilena estava interessada em adquirir terra no Estado, mas não pode por causa desta restrição. “Caso a União reverta esta questão, estas empresas estrangeiras teriam que se adequar as regras e exigências da legislação brasileira, acredito que com esta fiscalização não haveria problema”, afirmou ele.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos