Menu
RIO_DOURADOS
SADER_FULL
Busca
SUCURI_MEGA
MATO GROSSO DO SUL

MS perde investimentos de R$ 14 bilhões com restrição a estrangeiros

Mato Grosso do Sul já perdeu investimentos de R$ 14 bilhões

17 Set 2013 - 09h19Por Campo Grande News

Mato Grosso do Sul já perdeu investimentos de R$ 14 bilhões com a limitação na aquisição de terras por empresas estrangeiras. A restrição ocorreu em 2010, quando a AGU (Advocacia Geral da União) mudou a interpretação da lei de 1971 em nome da soberania nacional.

Na esperança de garantir outros R$ 15 bilhões, que estão engatilhados nas áreas de celulose, floresta e cana-de-açúcar, o governador André Puccinelli (PMDB) encaminhou nova proposta para a presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Ele pede a liberação dos investimentos para empresas que gerem mais de 2 mil empregos e incrementem o desenvolvimento industrial de uma região.

Por meio da assessoria de imprensa, a secretária estadual de Produção, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, desde a restrição imposta pela interpretação do advogado geral da União, Luís Inácio Adams, o Estado já perdeu R$ 14 bilhões em investimentos. No entanto, ela apenas destacou que foram projetos nas áreas de florestal, celulose e etanol.

Em 2011, a Portucel, multinacional portuguesa de celulose, desistiu de investir US$ 4 bilhões na implantação de uma fábrica entre Bataguassu e Santa Rita do Pardo. O grupo desistiu porque não podia comprar 130 mil hectares de terra para o plantio de eucalipto. O máximo permitido pela lei é de 5 mil hectares. A Portucel ganhou incentivos e terra para se instalar em Moçambique.

Outra empresa que pode abandonar o Estado é a empresa chilena Arauco Celulose, que estuda investir R$ 4 bilhões na instalação de uma nova fábrica de celulose em Três Lagoas. A cidade já é conhecida como “capital da celulose” por causa dos investimentos feitos pela Eldorado e Fibria.

Esperanças – Há três anos, o governador luta para mudar a interpretação da Lei 5.709/1971, que restringiu a compra de terras por empresas estrangeiras. “Os Estados perdem muitos recursos com esta proibição, tínhamos feito uma levantamento antigo que previa perdas de até R$ 15 bilhões, no entanto podemos mudar esta situação pedindo que haja esta revisão e sejam cobrados estes critérios”, destacou André.

De acordo com o governador, estas empresas funcionariam como “barriga de aluguel”, pois só teriam o direito de ter seu registro em cartório com investimento no setor industrial e gerando dois a três mil empregos. “Seria o atestado de boa índole, poderíamos trazer novos investimentos para o Estado”.

André lembrou que uma empresa chilena estava interessada em adquirir terra no Estado, mas não pode por causa desta restrição. “Caso a União reverta esta questão, estas empresas estrangeiras teriam que se adequar as regras e exigências da legislação brasileira, acredito que com esta fiscalização não haveria problema”, afirmou ele.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BBB 18 - Vencedora
Veja a casa de Gleici, do'BBB 18': Sister teve o pai assassinado pelo tráfico e passou fome
Concurso Público
Polícia Federal publica autorização para promover concurso público com 500 vagas
BBB 18
'BBB 18': Gleici fala sobre planos para mudar a vida após vencer o programa
Novela Global
Fim de 'Outro lado': Clara declara amor a Gael
Fatalidade
Trabalhador morre eletrocutado em propriedade rural
Tragedia
190km/h: Motorista e passageiro morrem em grave acidente
Tapetão
MP entra no caso e Palmeiras se 'arma' para anular a final do Paulistão
Macabro
Até ser descoberto, homem pedia marmita para o pai morto
VICENTINA - PAIXÃO DE CRISTO
Assista a 'Paixão de Cristo' realizada pela Paróquia Nossa Senhora dos Apóstolos em Vicentina
BBB 18 - Final
Campeã do 'BBB18', Gleici quer manter romance com Wagner: 'Lutei pra conquistar'