Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 18 de setembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

MS é o 19º em denúncias de abuso sexual por médicos

6 Jul 2004 - 09h41
 

Mato Grosso do Sul ocupa a 19ª posição no ranking dos Estados onde há casos denunciados de abuso sexual dentro dos consultórios médicos. De 1999 a 2001, o CRM/MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul) formalizou três processos ético-profissionais para apurar denúncias de pacientes. A situação do abuso sexual em Mato Grosso do Sul em comparação com outras regiões do País foi apontada pelo pneumologista Julio Cesar Meirelles Gomes, que realizou o levantamento para a dissertação de mestrado inédita pela UnB (Universidade Nacional de Brasília).

A base da pesquisa do pneumologista são 403 processos dos CRMs (Conselhos Regionais de Medicina) de todo o País referentes ao período 1997-2001. Nesse período de cinco anos, foram formalizados três processos de abuso sexual no CRM/MS, o que equivale a 0,7% do total. A porcentagem é a menor da Região Centro-Oeste, perdendo para o Distrito Federal (2,2%), Goiás (1,7%) e Mato Grosso (1%), enquanto no País fica na frente apenas de Sergipe (0,5%), Acre (0,2%) e Alagoas (0,2%), sendo que os maiores índices são dos Estados de São Paulo (45,5%), Rio de Janeiro (16,1%) e Minas Gerais (7,9%).

De acordo com Julio Cesar, muitos casos de abuso sexual na relação médico-paciente não são denunciados, principalmente por causa do medo, do constrangimento ou mesmo da descrença de que a queixa tenha êxito. “Acredito que esse comportamento seja um transtorno de personalidade, pois costuma ocorrer de maneira repetitiva. O caso costuma chegar ao Conselho de Medicina depois de o paciente ser assediado mais de dez vezes”, ressalta o autor da pesquisa.

A pesquisa aponta que, dos casos de abuso sexual registrados em todo o País, 20,6% foram cometidos por médicos ginecologistas ou obstetras. Os profissionais com especialidade em clínica médica, ortopedia, psiquiatria ou cirurgia plástica vêm em seguida. Anualmente, são feitas cerca de 5 milhões de consultas médicas em todo o País, enquanto de 1997 a 2001 houve 403 processos de abuso sexual, conforme a pesquisa do pneumologista Julio César, o que equivale a uma média de 1 processo para 62 mil consultas.

Os Conselhos de Medicina orientam a pessoa que se sentir abusada ou assediada sexualmente a procurar as entidades e formalizar uma denúncia e no caso de o profissional ser da rede pública, as secretarias municipal e estadual de Saúde estão apta a receber a denúncia a ser encaminhada ao CRM. Com a acusação formal, o Conselho Médico abre uma sindicância para colher informações sobre o ocorrido, tanto do paciente quanto dos médicos. Essa sindicância pode ser arquivada caso as informações não se sustentem ou se transformarem em um processo ético-profissional. As punições podem variar da advertência, suspensão por um mês até a cassação do registro médico.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

GASOLINA SEM REAJUSTE
Sinpetro diz que não haverá reajuste imediato no preço dos combustíveis
NOVELA GLOBAL
Em 'A dona do pedaço', Régis se aproxima de Maria da Paz, que fica mexida com ex
ALTOS HONORÁRIOS
Advogados cobram R$ 4,4 milhões de Viúva da Mega-Sena em honorários na Justiça
TRAGEDIA
Pai tenta salvar filho em incêndio, mas os dois morrem
MUNDO MEDONHO
'Pago boleto, compro calcinha': usuários de aplicativos de paquera relatam apuros e curiosidades
FAMOSIDADES
Belo sai de casa após flagrar traição de Gracyanne
ASSASSINATO
PM é torturado e morto após circular boato de que seria 'estuprador'
JULGAMENTO
PMs acusados de chacina taparam câmera de segurança antes do crime
CASO DE POLÍCIA
Catador de reciclável recebe mochila com bebê congelado dentro
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo morre após carro bater em árvore em rodovia de MS