Menu
SADER_FULL
quinta, 13 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

MS 274: Carro cai em córrego e mata dois moradores de Deodápolis

18 Ago 2010 - 08h52Por Dourados Informa


Foram identificadas as duas vítimas de um acidente registrado na noite de ontem, entre a Vila Formosa (Dourados) e Porto Vilma (Deodápolis).

O pecuarista Paulo Novaes Assanuma, 46 e o sobrinho, João Paulo de Lima Assuma, 25, morreram afogados após o véiculo que eles estavam, um VW/Santana de cor verde (e não uma S10 como havia sido noticiado anteriormente) caiu no córrego Laranja Azeda.

Conforme informações policiais, possivelmente o motorista perdeu a visibilidade devido a poeira de um suposto veículo que estaria trafegando na frente. No local não existia marca de frenagem.

Ambas as vítimas moravam na área central de Deodápolis. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada para socorrer as vítimas mas quando chegaram no local tio e sobrinho já haviam morrido afogados.

Os dois estavam usando cinto de segurança, o que teria dificultado a saída deles do carro. As causas do acidente estão sendo investigadas.




Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede