Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 22 de abril de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

MPF recomenda à UFGD a anulação de questões de concurso para o HU

14 Jun 2010 - 17h26Por Mídia Max

Após participantes de concurso público para provimento de cargos no Hospital Universitário de Dourados, denunciarem que 15 questões da prova, que deveriam ser inéditas, foram copiadas de livro, o Ministério Público Federal recomendou a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), que as questões fossem anuladas.

 

O concurso foi realizado no último dia 25 de abril, e o alvo de denúncias faz parte integrante do caderno de questões para cargo de técnico em enfermagem do Hospital Universitário (HU) de Dourados.

 

Os próprios candidatos fizeram representações solicitando que as questões fossem anuladas, e a recomendação originou-se de um procedimento administrativo instaurado no MPF.

 

Segundo o MPF, as questões que deverão ser anuladas não eram inéditas, o que contraria o regulamento do concurso e "configura lesão manifesta ao princípio da legalidade e ao princípio da vinculação ao instrumento convocatório".

 

Desta forma, a UFGD deverá publicar o resultado final com a nova classificação, concedendo a pontuação das questões anuladas a todos os candidatos, e assim, os candidatos aprovados que ainda não apresentaram títulos para a prova de títulos também poderão fazê-lo.

 

Denúncias

 

De acordo com o levantamento feito pelos próprios candidatos, foram encontrados indícios de plágio em 18 questões da prova para técnico em enfermagem, que teriam sido copiadas do livro Perguntas e Respostas Comentadas de Enfermagem, de Andréia Patrícia Gomes e colaboradores, da Editora Rubio, porém, o regulamento do concurso determina que a Universidade Federal de Goiás deveria elaborar as provas objetivas para todos os cargos, que teriam 2355 questões inéditas. No entanto, candidatos denunciaram a ocorrência de plágio.

 

De posse das denúncias, o MPF constatou que 15 questões eram cópias idênticas do livro ou com pequenas alterações, como inversão na ordem das alternativas ou substituição de elementos gramaticais, "com o fim de dissimular o plágio".

 

Para o procurador da República Raphael Otávio Bueno dos Santos, "não houve justificativa plausível da Pró-Reitoria de Ensino e Graduação da UFGD acerca das coincidências entre as questões da prova e aquelas dispostas no referido livro, restando, pelo contrário, ainda mais evidenciado que as questões da prova foram copiadas".

 

Cotas

 

O MPF também recebeu denúncia de que quatro candidatos teriam sido convocados para as provas de títulos sem terem sido aprovados nas provas anteriores.

 

O procedimento foi apurado e a Universidade explicou que o fato ocorreu por se tratar de candidatos deficientes físicos que, embora não tenham atingido a mesma pontuação dos demais candidatos aprovados, foram aprovados para as vagas reservadas àqueles candidatos. Assim, quanto a esta denúncia, o MPF acolheu a justificativa da UFGD e não identificou irregularidade na convocação dos candidatos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 LUZ
Giselle Itié lamenta a morte de outro ex-namorado em apenas três meses
CENSURADO
Video com ataques de Olavo a Militares é excluido das Redes de Bolsonaro
DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle, do ‘Programa Raul Gil’, se suicida após depressão
FATALIDADE
Bebê morre após ser esquecida pelo pai por três horas dentro do carro
IRRESPONSABILIDADE
Bebê de 1 aninho entra em coma alcoólico após pai dar cachaça com refrigerante
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil