Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 18 de outubro de 2018
SADER_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
MATO GROSSO DO SUL

MPF e Funai fazem mutirão para registrar 5 mil índios em MS

12 Jul 2010 - 07h02Por Diário MS
Um levantamento realizado recentemente pela Funai (Fundação Nacional do Índio) mostra um cenário preocupante em Mato Grosso do Sul. Segundo o órgão, pelo menos cinco mil índios não possuem certidão nascimento e nem o Rani (Registro Administrativo de Nascimento Indígena) no Estado. Grande parte dos índios sem documentação está concentrada em Dourados e nas aldeias localizadas nos municípios que estão na faixa de fronteira com o Paraguai. A maioria dos indígenas sem registro é formada por crianças e idosos.

Para tentar reverter esse quadro de isolamento, a Funai e o MPF (Ministério Público Federal), em parceria com diversas prefeituras, iniciaram a pouco mais de um mês uma série de mutirões nas aldeias da região Conesul. O objetivo do trabalho de campo é de fornecer certidões de nascimento e Rani aos índios que não possuem documentação.

Conforme a coordenadora regional da Funai em Ponta Porã, Arlete Pereira de Souza, em menos de dois meses, os mutirões organizados pela órgão, em parceria com o MPF e as prefeituras, já possibilitou a legalização de pelo menos 1,5 mil índios. “O levantamento feito pela Funai mostrou esses números alarmantes. Pelo menos cinco mil índios sem certidão de nascimento e Rani. No entanto, as lideranças estimam que esse número possa ser ainda maior. A situação é preocupante, já que esses índios por não terem documentos não podem ter a diversos benefícios, como pensão e aposentadoria. No caso das crianças, o quadro é ainda mais grave, haja vista que sem documentos elas não podem freqüentar a escola. Diante da necessidade de medidas urgentes, a Funai propôs uma parceria com o MPF e prefeitura, e iniciou os mutirões nas aldeias da região. O resultado alcançado até o momento é positivo, já que pelo menos 1,5 mil índios já foram registrados”, comentou.

Segundo ela, os mutirões vão continuar sendo realizados ao longo dos próximos meses em toda a região. A Funai atesta que a falta de documentação e a dificuldade para difundir a agricultura dentro das aldeias são hoje as principais preocupações da população indígena de MS. “A Funai, em parceira com o Ministério Público Federal e as prefeituras, está concentrando esforços para vencer com maior agilidade alguns gargalos existentes junto a comunidade indígena. Esse trabalho de campo que estamos fazendo, além de garantir a documentação dos índios, ajuda a monitorar as principais dificuldades enfrentadas por eles. É um esforço conjunto que tem tudo para levar melhorias para a comunidade indígena”, relatou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO LETICIA
Adolescente morta a facadas contou a amigos que pai estuprou a tia na sua frente:'Tinha quatro anos'
MOTIVO FUTIL
Camera ajuda na indentificação de Homem que confessa ter matado mulher após falhar na "Hora H"
A CASA CAIU
Rapaz é agredido pelas sete namoradas que descobriram traição
SEGUNDO SOL
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher'
DEFICITÁRIAS
Correios fecham 02 agências no MS e 39 no país
VICENTINA - LEILÃO ELETRÔNICO
Justiça realizará leilão eletrônico de imóveis urbanos e trator de VICENTINA
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Conclusão do Comperj deve gerar 8 mil vagas em 2019
LUTO NO JORNALISMO
Morre Gil Gomes, jornalista policial, aos 78 anos, em São Paulo
SELEÇÃO BRASILEIRA
Brasil vence a Argentina com gol de Miranda nos acréscimos e conquista o Superclássico
HORARIO DE VERÃO
Início do horário de verão não será adiado, informa o Planalto