Menu
SADER_FULL
quinta, 17 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

MPF acusa 12 por formação de quadrilha

21 Out 2004 - 15h05
As procuradoras regionais da República Janice Ascari, Luiza Cristina Frischeisen e Ana Lúcia Amaral apresentaram, em 4 de outubro, ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região, as alegações finais do Ministério Público Federal (MPF) no processo em que 12 réus respondem por formação de quadrilha na investigação da Polícia Federal e do MPF que ficou conhecida como Operação Anaconda.

Na fase em que o processo se encontra, tanto defesa quanto a acusação fazem um levantamento e relatam todas as provas que possuem. O MPF analisou todas as provas e entendeu que todos os réus envolvidos neste processo devem ser condenados pelo crime de formação de quadrilha, cuja pena varia de 1 a 3 anos.

Até o próximo dia 28, o prazo está aberto para apresentação das alegações finais dos advogados de defesa. Após as alegações finais dos réus, a desembargadora relatora do processo, Terezinha Caserta, analisará as provas e marcará o julgamento. A expectativa do MPF é que o processo seja julgado pelo TRF-3 até o fim do ano.

O MPF já ofereceu as alegações finais em outros dois processos da Operação Anaconda que tramitam no TRF-3, em julho e agosto deste ano.

Os denunciados
São apontados pelo MPF como mentores do esquema de venda de sentenças João Carlos da Rocha Mattos (juiz federal, preso), César Herman Rodriguez (agente da PF), José Augusto Bellini (delegado afastado da Polícia Federal), Jorge Luiz Bezerra da Silva (delegado aposentado da PF e advogado).

Os planejadores, executores e gerenciadores da organização financeira da quadrilha são Norma Cunha (ex-mulher de Rocha Mattos), Carlos Alberto da Costa Silva (advogado) e Affonso Passarelli Filho (advogado).

O MPF apontou como auxiliares dos mentores Dirceu Bertin (corregedor da PF, afastado), Wagner Rocha (empresário), Sérgio Chiamarelli Júnior (empresário), Casem Mazloum (juiz federal, afastado), Ali Mazloum (juiz federal, afastado).

Entenda a Operação Anaconda
A Operação Anaconda foi deflagrada no dia 30 de outubro como resultado de uma investigação de mais de um ano da Polícia Federal. Escutas telefônicas teriam captado indícios das negociações ilícitas entre criminosos, policiais e juízes. Havia um esquema de venda de sentenças judiciais entre os envolvidos.

A gravação de conversas telefônicas permitiu identificar organização criminosa com base em São Paulo e ramificações no Pará, em Alagoas e no Rio Grande do Sul.

Em 13 de outubro de 2003, o Ministério Público Federal ofereceu quatro denúncias ao Tribunal Regional Federal de São Paulo contra juízes, advogados, empresários e policiais. Foram requeridos 15 mandados de busca e apreensão. Já em 19 de dezembro, o TRF aceitou as denúncias do Ministério Público e afastou os juízes e irmãos Ali e Casem Mazloum e manteve a prisão do juiz João Carlos da Rocha Mattos, preso desde novembro.

 

 

Terra

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'