Menu
SADER_FULL
sexta, 21 de setembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

MPE em crise pára inquérito sobre cartel do combustível

16 Dez 2004 - 08h26
O antigo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) se negou a investigar a suspeita de formação de cartel por postos de combustíveis de Campo Grande e o inquérito agora está parado. O argumento é que não teriam sido constatados “indícios suficientes para instauração de procedimento para investigação de crime de formação e cartel e praticado por organização criminosa”.
O promotor de Defesa dos Direitos do Consumidor, Amilton Plácido da Rosa, questiona o argumento, dizendo que se houver articulação para combinação de preços entre vários empresários o caso é de organização criminosa.
Clóvis Smaniotto, promotor que atua no Gaeco, agora chamado Unicoc (Unidade Integrada de Combate às Organizações Criminosas), afirma que a unidade pode dar suporte às investigações, mas não pode toma-las para si por se tratar de crimes de ordem econômica, previstos nas leis a 8137/96 e 8884/94.
O promotor, que diz preferir “não polemizar o assunto”, afirmou que vai novamente encaminhar ofício à promotora Marigô Bittar, que é coordenadora das Promotorias de Defesa do Consumidor, explicando a competência da Unicoc.
A negativa consta em ofício encaminhado ao MPE (Ministério Público Estadual) no dia 17 de junho de 2003 e assinado pelos promotores Clóvis Smaniotto e Ana Lara Camargo. Desde então, o assunto ganha destaque nos jornais e até a ANP (Agência Nacional do Petróleo) aponta nivelação de preços, mas as investigações não avançam.
Iniciada em 2002, a fiscalização do MPE sobre a possibilidade de os postos de combustíveis de Campo Grande estarem praticando cartel está à espera de definição de atribuição pela procuradora-geral do Ministério Público, Irma Vieira de Santana e Anzoategui. O pedido foi encaminhado por Plácido a ela no dia 6 de dezembro deste ano.
Esta semana, a ANP enviou nota ao Ministério Público confirmando o alinhamento, mas Plácido afirma que os dados não podem levar a uma conclusão. Ele explica que no processo de nº 03 de 2002 já foram analisados dados da ANP, feitas tomadas de preços, ouvidas pessoas e feita a perícia por técnicos que não encontraram indícios de formação de cartel.
Porém, admitindo que não houve aprofundamento das investigações, por falta de estrutura, o MPE pediu arquivamento do inquérito e encaminhou ao antigo Gaeco, em meados de maio do ano passado, ofício para que fosse dada continuidade com utilização do serviço de inteligência, escuta telefônica e até infiltração. “No fundo a gente sabe que tem”, reconhece o promotor, referindo-se a prática ilegal de alinhamento de preço. Para ele o próprio governo, atendendo interesses de arrecadação, acaba sendo conivente ao divulgar percentuais esperados de reajuste nas bombas.
O arquivamento, ao ser apreciado pelo Conselho Superior do Ministério Público, este ano, acabou sendo indeferido pelo voto divergente da promotora Marigô Bittar. Ela sustentou que ainda havia meios de aprofundar a investigação e então Plácido solicitou a definição de atribuição.
Caso o MPE seja incumbido de dar continuidade, afirma, será necessário que receba estrutura adequada. “Tem que se pensar até quando é interessante levar adiante a questão. O preço maior é deixar questões mais graves por serem atendidas”, diz o promotor.
Por várias vezes o Campo Grande News tem mostrado o nivelamento de preços em postos de Campo Grande, seja com dados de investigação própria, com base em dados da Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul), que mostram a concentração dos estabelecimentos nas mãos de alguns grupos como também pelo próprio relatório da ANP, que sai semanalmente.

 

 

Campo Grande News.


Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSALTANTE
Preso confessou que matou a ex em cela da cadeia
DISPUTA ACIRRADA
Nova pesquisa mostra empate técnico entre Haddad e Bolsonaro
SELEÇÃO BRASILEIRA
Gabriel Jesus retorna para a Seleção
LOTERIA
Mega-Sena acumula novamente e pode pagar prêmio de R$ 22 milhões
HORÁRIO DE VERÃO 2018
Horário de Verão pode ser extinto em todo território nacional
EDUCAÇÃO
‘Desejo continuar com a minha profissão, mas temo pela minha vida’, diz professor agredido em aula
SOB INVESTIGAÇÃO
Jovem é encontrada morta dentro do quarto e esposo está desaparecido
MORTE NO DETRAN
Jovem sofre parada cardíaca durante prova para tirar CNH
REALITY SHOW
‘A fazenda’: conheça os 16 participantes da nova edição
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Laureta é presa por causa de armação de Luzia