Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

MPE denuncia 05 envolvidos no assassinato de menina em Miranda

15 Ago 2007 - 16h30

O MPE (Ministério Público Estadual) apresentou denúncia contra cinco pessoas acusadas de participação na morte de Camila Pereira Florenciano, de nove anos, assassinada em junho do ano passado em Miranda, a 212 quilômetros de Campo Grande, vítima de estupro. Foram denunciados Moisés da Silva Cabral, conhecido como “Cara de Jaca”, Elaine Nunes de Carvalho, dois adolescentes e mais uma mulher Tânia Mara Dias de Moura, que num segundo interrogatório foi inocentada pelos envolvidos, que desmentiram a sua participação no crime.

Tânia chegou a ser presa e interrogada, mas teve a liberdade provisória decretada devido às novas informações prestadas pelos integrantes do crime. Mesmo assim, seu nome foi mantido na denúncia do MPE para que seja averiguada a sua participação na morte de Camila. Segundo o delegado, João Reis Belo, titular da Polícia Civil, Moisés e os adolescentes apontaram inicialmente que Tânia teria abordado a criança na rua, ganhando sua confiança e atraindo-a para o matagal.

No entanto essa versão foi mudada no decorrer das investigações e o trio acusou Elaine como a mulher que teria participação no assassinato, chamando Camila para o local do crime. Os cinco envolvidos são acusados de cárcere privado, homicídio triplamente qualificado, estupro e atentado violento ao pudor. De acordo com o delegado, o processo contra os dois adolescentes (sendo que um já completou 18 anos em 2007), está sendo analisado em separado pelo juiz da Vara da Infância e Adolescência de Miranda, Paulo Afonso Oliveira. “A ação já está em vias de decisão e a sentença deve ser apresentada nos próximos dias”, afirmou o delegado

Detalhes do crime

Durante depoimento, Moisés e os dois adolescentes confessaram à Polícia todos os detalhes do assassinato. A Polícia apontou que um dos adolescentes foi o “autor intelectual” do crime, pois ele pretendia se vingar do tio da garota que tentou atingi-lo co um disparo de arma de fogo. Ele teria se aproximado da garota e, após ganhar a confiança, convenceu Camila a acompanha-lo até um matagal afastado da área urbana da cidade.

Os três deram uma paulada na nuca da criança, lhe amarraram e depois praticaram o estupro. Os três deixaram Camila amarrada por três dias e depois compraram gasolina e atearam fogo no corpo da criança. Segundo os bandidos, ela estava consciente. Eles fugiram e depois voltaram ao local do crime para certificar-se de que a garota estava morta. Inicialmente a Polícia investigava apenas o desaparecimento de Camila, mas no dia 13 de setembro foi encontrada a ossada da garota junto com alguns objetos pessoas pertencentes a ela.

O caso trouxe muita comoção aos moradores da cidade de Miranda que no dia 13 deste ano chegaram a fazer um protesto pelas ruas da cidade reclamando da morosidade de Justiça em solucionar o crime.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos