Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

Mortos no incêndio de Assunção sobem para 365

3 Ago 2004 - 07h05
O Corpo de Bombeiros Voluntários do Paraguai informou que chegam a 365 os mortos no incêndio do supermercado Ykuá Bolaños, em Assunção, no Paraguai. O número de vítimas, em sua maioria carbonizadas, é quase o mesmo do balanço proporcionado pelo Ministério Público.

"Após o fim dos trabalhos de busca e resgate desta tarde, foram recuperados cerca de trinta corpos, alguns somente em partes ou membros", explicou Carlos Torres, comandante dos bombeiros.

Torres explicou que o total de mortos inclui as pessoas que faleceram nos hospitais. O número de vítimas fatais pode aumentar, "considerando o estado em que foram retirados muitos dos feridos", acrescentou.

O ministro da Saúde, Julio César Velázquez, especificou que há 271 pessoas internadas em diversos hospitais de Assunção, das quais 15% permanecem em unidades de tratamento intensivo.

Torres explicou que agora um grupo menor de bombeiros se ocupará da vistoria e da sustentação do edifício para evitar o desabamento de sua estrutura.

O fogo começou no supermercado, localizado na periferia de Assunção, ao meio-dia do domingo, quando o lugar estava lotado. Segundo autoridades, uma explosão provocada por gás perto da área de alimentação foi a responsável pelo início do incêndio. As chamas atingiram um estacionamento localizado no subsolo e vários corpos carbonizados foram encontrados dentro de carros queimados. Muitas pessoas ficaram presas no local porque, segundo várias testemunhas e sobreviventes, as portas foram fechadas para evitar possíveis saques e roubos.

Falta de estrutura
A tragédia, considerada por muitos a pior no Paraguai desde os anos 1930, quando a guerra contra a Bolívia deixou milhares de mortos, mostrou a falta de estrutura no país. A magnitude do acidente sobrecarregou os serviços públicos de um dos países mais pobres e mais corruptos da América do Sul. Os hospitais ficaram lotados com as centenas de feridos que apresentavam queimaduras e problemas pulmonares.

"Esse acidente revelou o quão insuficiente são nossos recursos humanos e materiais para lidar de forma adequada com uma catástrofe", escreveu em um editorial o jornal Última Hora. Os médicos pediram doações de materiais e a Argentina já enviou um avião Hércules com remédios e ataduras.

O presidente do país, Nicanor Duarte Frutos, afirmou no domingo que vai pedir uma investigação rápida sobre as causas da tragédia "a fim de punir os responsáveis".

 

Terra

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'