Menu
SADER_FULL
sábado, 20 de julho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Mortes causadas pela gravidez caem pela metade em 18 anos no Brasil

21 Set 2010 - 07h12Por www.ccr.org.br

O índice de mulheres que morrem em razão de problemas na gravidez ou no parto caiu 52% em 18 anos, entre 1990 e 2008, de acordo com dados divulgados pela ONU (Organização das Nações Unidas) e pelo Banco Mundial.

Apesar disso, o país está longe de cumprir a meta de reduzir essa taxa em 75% até 2015, prevista nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que foram adotados pelos membros da organização em 2000.

De acordo com o relatório, em 2008 o Brasil teve 58 mortes maternas para cada 100 mil bebês nascidos vivos, enquanto em 1990 esse índice era de 120. A taxa de queda anual foi de 4%, diz a ONU.

Para atingir o objetivo, a taxa precisa cair para 30 até 2015, uma redução de 48% em seis anos.

Apesar disso, o Brasil apresenta números melhores que a média mundial – o país está entre as 90 nações em que o índice caiu mais de 40% nesse período.

No mundo, o número de mulheres que morreram por complicações na gravidez caiu 34% nesse período, de 546 mil em 1990 para 358 mil em 2008.

A ONU diz que o avanço é “notável”, mas representa metade da redução necessária para atingir o objetivo em 2015 (seria necessário que esse índice caísse 5,5% por ano, enquanto a queda anual desde 1990 tem sido de 2,3% em média).

No levantamento, a organização levou em consideração as mortes de mulheres grávidas ou no período de até 42 dias após o fim da gravidez, por qualquer causa relacionada ou agravada pela gestação. Não são considerados os óbitos por motivos acidentais.

As principais causas de mortes maternas são os sangramentos após o parto, infecções, problemas de hipertensão (pressão alta) e abortos não seguros.

Em 2008, cerca de mil mulheres morreram todos os dias devido a essas causas. Dessas, 570 viviam na África subsaariana, 300 no sul da Ásia e cinco em outros países em desenvolvimento, diz a ONU.

O risco de uma mulher em um país em desenvolvimento morrer por causas relacionadas à gravidez é 36 vezes maior do que o registrado em uma nação desenvolvida.

Anthony Lake, diretor-executivo da Unicef, diz que, “para atingir o objetivo de melhorar a saúde das mães e salvar a vida de mulheres, é preciso se concentrar nas que estão em situação de risco”.

Isso significa alcançar mulheres em áreas rurais e famílias pobres, de minorias étnicas, grupos indígenas, as que vivem em zonas de conflito e as que têm o vírus HIV.

Para a ONU, os números mostram que é possível prevenir as mortes maternas, mas os países precisam investir mais no sistema de saúde e na qualidade do atendimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA SENDO REPRESENTADA NO RJ
Vicentina será representada no Internacional de Masters South América de Jiu-jitsu no Rio de Janeiro
POLITICA
'Falar que passa-se fome no Brasil é uma grande mentira', afirma Bolsonaro
NOVELA GLOBAL
Maria da Paz se recusa a enxergar caráter de Josiane em 'A dona do pedaço'
REGIME SEMIABERTO
Goleiro Bruno deve sair da cadeia no fim da tarde desta sexta-feira
CASO RARO
Bezerro de seis patas chama atenção moradores de Santa Helena – Veja Vídeo
MONSTRUOSIDADE
Vizinho é preso suspeito de estuprar e estrangular menina de 8 anos
CASA PRÓPRIA
Recurso de R$ 1 bilhão é destinado ao Minha Casa, Minha Vida
VIDA SAUDÁVEL
Homem mais velho do Brasil falece no Rio de Janeiro
BASTA DE IMPRUDÊNCIA
Enlutada pelas mortes, população deixa faixa contra imprudência na PR-082
VIOLENCIA
Motorista atropela manifestantes do MST e mata um idoso