Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 18 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Morte de prefeito no Maranhão pode ser crime político

18 Jul 2007 - 10h54

Delegados que investigam o assassinato do prefeito do município de Ribamar Fiquene (MA) não descartam a hipótese de crime político. Hilter Alves da Costa (DEM) foi morto a tiros, na noite de segunda-feira (16), por dois homens que estavam em uma motocicleta.

Segundo informações, o prefeito havia saído para conversar com alguns amigos nas proximidades da delegacia do município e já no local foi surpreendido por dois homens em uma moto, sendo que o garupa, um indivíduo de camisa vermelha, ao descer da motocicleta já foi efetuando os disparos à queima roupa, atingindo as costas da vítima.

Hilter Alves foi socorrido e levado para cidade de Imperatriz, a 50 quilômetros do local do crime, mas não resistiu e morreu ao dar entrada no hospital São Rafael.

Um suspeito de matar o prefeito está preso. Um segundo homem acusado do crime caiu de uma moto durante um acidente e morreu.

O prefeito estava em seu segundo mandato e havia ameaçado deixar o cargo caso seu município não recebesse mais recursos dos governos do Estado e Federal.

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE NA ESCOLA
Criança de 7 anos tem ferimentos graves após trave de futebol cair em sua cabeça em escola
ESTUPRO
Grávida de 20 anos foi estuprada ao pegar carona. Tarado filmou a ação
ACERTO DE CONTAS
Homem é morto a facadas e tem cadeado colocado na boca
POLEMICA
Funcionária de creche chamada de 'vadia' em faixa exposta em praça de MG recebe apoio
NOVA VACINA
Ministério da Saúde oferecerá nova vacina contra meningite
BONITO - MS - DICAS AGÊNCIA ECO TOUR
Conheça 10 motivos para passar suas férias em Bonito MS!
VIOLENCIA DOMESTICA
Ex-paquita acusa marido de agressão e faz desabafo na web
COPA DO BRASIL
Melhores momentos da vitória de 2x0 do Santos sobre o Vasco
E AÍ VAMOS TRABALHAR?
Como o trabalho freelancer pode mudar a sua vida
CUIDADOS COM A SAUDE
Uma fatia de bacon por dia é suficiente para ‘aumentar risco de câncer’