Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CONTAINER
Brasil

Moka diz que florestas plantadas diversificam economia de MS

14 Jul 2010 - 06h01Por Fátima News com assessoria

O deputado federal Waldemir Moka (PMDB), candidato ao Senado pela coligação Amor, Trabalho e Fé  participou nesta segunda-feira (12) da abertura do evento Ribas Florestal 2010 no município de Ribas do Rio Pardo e disse que a plantação de florestas constitui uma alternativa irreversívelpara promover a diversificação da economia de Mato Grosso do Sul.”Hoje temos uma das maiores fábricas de celulose do mundo, em Três Lagoas, e mais duas unidades em instalação, o que significa mercado para madeira, uma atividade ambientalmente correta, que preserva a mata nativa e reduz o efeito estufa”, explicou Moka.

Segundo Moka, práticas que agregam pouco valor como a pecuária extensiva, por exemplo, devem ser aliadas a atividades como o plantio de florestas, que, além de gerar benefícios econômicos por meio da geração de emprego e renda e da instalação de indústrias,resulta também em impactos positivos para o meio ambiente, através dos bons resultados que se pode alcançar no manejo de pastagens, na conservação de recursos hídricos e  na redução de processos erosivos.‘É possível aliar os sistemas florestais aos sistemas agropastoris de maneira sustentável, com ganhos ao meio ambiente”, destaca o deputado.

De acordo com a Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore MS), a estimativa é de que a área ocupada pelo plantio de florestas em MS seja de 308 a 310 mil hectares, o que faz com que o Estado ocupe a sétima posição nacional em área de florestas plantadas. As regiões que concentram os maiores plantios são as de Campo Grande e Três Lagoas. Mas o aumento da demanda estima que, dentro de poucos anos serão pelo menos 1 milhão de hectares cultivados com madeira,boa parte desses espaço consorciado com a pecuária.

Código Florestal - Os debates sobre a prática da silvicultura no Estado remetem à discussão sobre o Código Florestal, cuja proposta de reforma, aprovada com a participação do deputado Moka no último dia 7 de julho pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, deverá ser votada ainda neste semestre. Entre as principais mudanças apontadas pelo novo texto está a permissão para os Estados concederem licenças ambientais, atribuição que hoje é exclusiva da União e a redução dos percentuais das reservas legais estabelecidos hoje em 80% no caso da Amazônia, 35% no Cerrado e 20% nas demais áreas.

“As mudanças no texto do Código Florestal representam um avanço na matéria, modernizam a legislação tornando-a mais adequada à realidade que vivemos hoje e foram pensadas de maneira a satisfazer tanto os produtores rurais, quanto os ambientalistas”, conclui o parlamentar.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico