Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 26 de maio de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Moka considera avanço prazo maior para dívidas agrícolas

15 Jun 2007 - 13h12
 

O deputado federal Waldemir Moka (PMDB-MS) disse nesta sexta-feira (15) que a ampliação de alguns prazos para pagamentos de parcelas das dívidas agrícolas foi um avanço, mas defende medidas mais eficazes para evitar que a cada ano o setor busque socorro do governo federal.

De acordo com a Resolução 3.460, o Banco Central autorizou as instituições financeiras a concederem novo prazo de pagamento até 31 de agosto (75 dias) às parcelas de investimento com vencimento em 2007, incluindo as vencidas e não-pagas.

A decisão, segundo a resolução, beneficia produtores que estavam com suas parcelas em dia até 31 de dezembro de 2006. Sobre os custeios, as parcelas até 31 de julho serão mantidas em condições de normalidade até esta data. Estão contempladas dívidas do Proger, Finame, Pronaf Investimento e Moderfrota.

De acordo com Moka, que tem participado de todas as negociações, o prazo concedido pelo Conselho Monetário Nacional é inferior aos 120 dias solicitados por produtores e parlamentares. “Evidente que negociar pontos para renegociar é sempre complicado, mas considero que houve avanço, graças à intervenção da Comissão de Agricultura”, avalia.

O parlamentar sul-mato-grossense assegura que o grupo de trabalho criado na Câmara dos Deputados para discutir a renegociação da dívida do setor vai prosseguir com as negociações. A próxima reunião será terça-feira (19). A decisão do CMN também aumenta os prazos das prestações com vencimento em 2007 de operações de custeio prorrogado das safras 2004/2005 e 2005/2006.

As parcelas vencidas e não pagas ou a vencer em até 31 de julho de 2007 serão apuradas e mantidas nas condições de normalidade até 31 de julho de 2007. Já para as parcelas com vencimento a partir de 1º de agosto de 2007 será dado prazo de até um ano após o vencimento da última prestação. Moka afirma que a prorrogação não põe fim aos problemas, como juros altos e a falta de política mais eficaz para o setor. “O ideal seria discutir a implementação de políticas que evitassem desgastes a cada ano após ano em relação a essa renegociação”, diz.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA ILUSTRE
Em Bonito (MS), Miss Brasil Júlia Horta destaca 'A energia daqui é inexplicável'
COISA DE DOIDO
Sucuri ataca bombeiro durante resgate em SP; assista!
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano
FEMINICIDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
'Peguei meu filho e achei que estivesse morto', diz mãe de criança dopada em creche
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira o que tá na promoção que vai até este sábado no O Boticário em Fátima do Sul
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Visite Bonito (MS) na baixa temporada, saiba o porquê!
FÁTIMA DO SUL - TRATAMENTO COACH
De Nova Andradina, Vanessa recupera autoestima com tratamento 'Coach' Célia Tenório de Fátima do Sul
CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda