Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Missão militar no Haiti já custou ao Brasil R$ 185 milhões

6 Set 2007 - 12h09

A permanência do contingente militar brasileiro na força de paz das Nações Unidas no Haiti custou aos cofres brasileiros  aproximadamente US$ 185 milhões, o equivalente a R$ 370 milhões. Esse valor é o resultado do total investido pelo Brasil, cerca de US$ 285 milhões, entre junho de 2004 e junho de 2007, com o abatimento do reembolso da ONU para a operação - US$ 100 milhões, um quinto do total que é gasto anualmente na manutenção da missão.

Esse balanço é das Forças Armadas e foi apresentado ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, que fez sua primeira visita ao Haiti nesta semana.

Em valores brutos, o Brasil já utilizou na operação de paz R$ 70 milhões para pagamento de pessoal, R$ 118 milhões para custeio e R$ 97 milhões para investimentos. Os recursos são previstos no Orçamento Geral da União e são executados pelo Ministério da Defesa e Forças Armadas.

O custo de US$ 185 milhões, já descontado o reembolso da ONU depositado na conta do Tesouro Nacional, corresponde a pouco mais da metade de todo o orçamento do Fundo Nacional de Segurança Pública, responsável por financiar parte das ações e equipamentos para os estados combaterem a violência no Brasil.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, defende o investimento na missão de paz pela necessidade de o país estar presente na solução dos problemas latino-americanos. "Precisamos avaliar em relação a isso os interesses do Brasil. Primeiro, o país não pode ficar alheio às questões que envolvem a América Latina. A condição do Brasil é de liderança e protagonismo regional, portanto é preciso estar presente. Isso de um lado, o lado das relações exteriores, da posição do Brasil na região. Se o Brasil, que é o maior país da região, ficasse afastado disso, você teria um certo distanciamento dos problemas", explicou.

Além disso, Jobim destacou que a força de paz no Haiti dá às tropas brasileiras a possibilidade de formação e treinamento para atuação em situações urbanas. "No segundo ponto, você também tem algo importante que diz respeito às Forças Armadas, que é exatamente a possibilidade de formar doutrinas que dizem respeito a universos urbanos através de ações práticas. A possibilidade de você ter formulação de quadros, de oficiais principalmente, para cuidar desse tipo de assunto, as chamadas guerras assimétricas", disse. Na última segunda-feira (3), o ministro informou que pode estudar o uso desse conhecimento militar em cidades violentas como o Rio de Janeiro.

O reembolso da ONU é usado para manutenção de equipamentos de grande porte, como blindados, tratores, caminhões e motoniveladoras. As Nações Unidas também pagam ao país participante da missão de paz US$ 1.028 por membro do contingente, US$ 68 para equipamentos e fardamento, US$ 5 para armamento e munição e US$ 303 para especialistas.

Em relação ao pagamento de pessoal, o Brasil remunera as tropas no exterior a partir da Lei 10.937/04, que prevê recursos mensais para toda a hierarquia militar - desde US$ 972 para cabos e soldados até US$ 4 mil para oficiais superiores. Quem integra a missão ainda recebe diretamente da ONU até US$ 303,90 por seis meses de missão como pagamento de diárias e ajuda de custo.

A Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) responde atualmente por cerca de 7% do contingente total de capacetes-azuis distribuídos pelo mundo em 19 missões de paz autorizadas pelo Conselho de Segurança.

 

 

Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação