Menu
SADER_FULL
sábado, 20 de julho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Mercado de trabalho deve diminuir contratações no 2° semestre

2 Ago 2010 - 14h28Por R7
O mercado de trabalho vai continuar abrindo vagas no segundo semestre, mas em um ritmo menor do que o observado até agora, segundo os especialistas. O primeiro semestre teve um desempenho atípico, que não deve ser superado nem pelas contratações de fim de ano – época em que o emprego temporário cresce e o desemprego costuma cair.

Se nos primeiros seis meses deste ano o Ministério do Trabalho verificou a geração de 1,473 milhão de postos, os meses de julho e dezembro prometem a criação de algo em torno de 1 milhão. Em outros anos, o segundo semestre foi quem concentrou a maior parte dos empregos.

Para o economista Sérgio Mendonça, diretor-técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o desemprego tende a continuar diminuindo daqui para frente.

- Nesta segunda metade do ano o desemprego deve continuar caindo. É o que chamamos de sazonalidade. Em geral, o Brasil tem uma trajetória de aquecimento do mercado de trabalho no segundo semestre nas regiões metropolitanas.

Rafael Bacciotti, analista da consultoria Tendências, diz que a perspectiva do mercado é muito favorável, porque o segundo semestre concentra as contratações do fim do ano. Ele diz que as indústrias chamam pessoas para atender a demanda do Natal, enquanto o comércio aumenta sua força a partir de outubro com os temporários.

- No primeiro trimestre, o aumento das contratações e o avanço do emprego formal melhoraram a qualidade do trabalho. Isso elevou o rendimento, facilitou o acesso ao crédito e ampliou o consumo, fazendo a economia girar. A perspectiva do mercado é muito favorável.

O especialista avalia que o desempenho do mercado de trabalho dá sinais de que a economia brasileira passa por um estágio de desenvolvimento sustentável, refletindo o resultado do começo do ano.

Em junho, a taxa de desemprego ficou em 12,7%, um dos menores índices registrados pela PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego), do Dieese, em sete regiões metropolitanas do país (Distrito Federal, Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo). Foram 2,79 milhões de pessoas sem trabalho ou procurando por uma vaga.

Mendonça, do Dieese, diz que o mercado fechou o primeiro semestre com os menores níveis de desemprego já vistos na maioria das cidades do país.

- A taxa caiu bastante, mesmo em regiões com padrão de desemprego alto, como é o caso de Recife e Salvador. Em todas as cidades analisadas, o desemprego do mês passado é o mais baixo ou o segundo menor da série da pesquisa. No primeiro semestre, as empresas geraram mais empregos e menos pessoas entraram no mercado de trabalho.

Para ele, o país terá um “pouso lento” na produção, e os empregos podem sentir essa freada daqui pra frente.

- O Brasil pulou de patamar. O desemprego está caindo e a renda está crescendo. São elementos de sustentação para que o Brasil continue melhorando. Mas manter um avanço forte durante o ano inteiro não depende somente dos empregos, mas dos salários, do crédito e dos investimentos também.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA SENDO REPRESENTADA NO RJ
Vicentina será representada no Internacional de Masters South América de Jiu-jitsu no Rio de Janeiro
POLITICA
'Falar que passa-se fome no Brasil é uma grande mentira', afirma Bolsonaro
NOVELA GLOBAL
Maria da Paz se recusa a enxergar caráter de Josiane em 'A dona do pedaço'
REGIME SEMIABERTO
Goleiro Bruno deve sair da cadeia no fim da tarde desta sexta-feira
CASO RARO
Bezerro de seis patas chama atenção moradores de Santa Helena – Veja Vídeo
MONSTRUOSIDADE
Vizinho é preso suspeito de estuprar e estrangular menina de 8 anos
CASA PRÓPRIA
Recurso de R$ 1 bilhão é destinado ao Minha Casa, Minha Vida
VIDA SAUDÁVEL
Homem mais velho do Brasil falece no Rio de Janeiro
BASTA DE IMPRUDÊNCIA
Enlutada pelas mortes, população deixa faixa contra imprudência na PR-082
VIOLENCIA
Motorista atropela manifestantes do MST e mata um idoso