Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 20 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
IVINHEMA

Médicos responderão por homicídio de bebê de Ivinhema

9 Set 2010 - 10h56Por Campo Grande News
Na reta final da investigação que apura a morte de Mibsan Rodrigues Cabreira, o delegado responsável pelo caso, Lupérsio Degerone, revela que os médicos envolvidos na briga que resultou na morte da menina serão indiciados por homicídio doloso.

Mibsan faleceu durante parto interrompido pela discussão “acalorada” dos médicos Sinomar Ricardo, 69 anos, e Orozimbo Ruela, 42 anos. A confusão aconteceu dia 23 de fevereiro deste ano, no Hospital Municipal de Ivinhema.

De acordo com o delegado, um depoimento foi fundamental para se chegar a esta tipificação. O médico Humberto Ferraz, que fez o parto da menina depois da briga, prestou depoimento na delegacia da cidade no fim do mês de agosto.

O objetivo da oitiva era identificar em que momento teve início o parto. O depoimento do profissional durou quatro horas e foi esclarecedor, segundo o delegado.

Lupérsio explica que, na versão de Humberto, o parto começa quando as contrações se iniciam. Desta maneira, se enquadra em homicídio doloso, neste caso, por dolo eventual.

“No direito brasileiro existem teorias e uma delas é a da viabilidade pela vida. O entendimento é de que se o feto já estava pronto, sem problema de saúde, e há interrupção na sequência, há entendimento de que seria homicídio”, detalha o delegado.

No primeiro momento da investigação ele apontou a possibilidade de indiciamento por aborto. No entanto, com a declaração do médico, houve a mudança no entendimento do policial.

O delegado pondera que, depois da conclusão do inquérito, o caso vai para o MPE (Ministério Público Estadual) e, posteriormente, à Justiça. “Também depende da denúncia (do MPE)”, pontua.

Ele ressalta a complexidade do caso. “Eu nunca ouvi falar em algo assim. É preciso analisar com calma”, completa.

A previsão é de conclusão do inquérito ainda este mês. “Já estamos com todos os laudos nas mãos”, destaca.

Laudo pericial aponta que o bebê teve sofrimento agudo até ser retirado do útero da mãe por meio de uma cesárea. O exame foi feito em amostra da placenta colhida logo após o episódio, no dia 23 de fevereiro.

O resultado confirma que a briga entre os profissionais foi determinante para a morte da criança.

Mudança - Os médicos envolvidos na morte da menina se mudaram de Ivinhema. Orozimbo passou a trabalhar em Deodápolis e Sinomar em Campo Grande, segundo o delegado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara
AMOR A PROFISSÃO
Pedreira caprichosa viraliza com trabalho detalhista e ganha novos clientes
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
O Boticário apresenta Quasar Brave, venha conferir no O Boticário em Fátima do Sul
SUPERAÇÃO
Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito
FENÔMENO
Maior superlua de 2019 iluminará o céu nesta terça, 19
FAMOSIDADES
Padre sertanejo acusado de ostentação cobra entrada de idosos para assistir programa
ACIDENTE FATAL
Adolescente é atropelada quando levava pai em cadeira de rodas, veja o vídeo
VIOLENCIA DOMESTICA
'Não consigo reconhecê-la', diz irmão de mulher espancada no 1° encontro
O REI ROBERTO CARLOS
Roberto Carlos vestiu rosa e se mostrou contrário a projeto de Jair Bolsonaro