MEGA_OKA_CARROS_
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 18 de Dezembro de 2017
DELPHOS_FULL
RIO_DOURADOS
1 de Novembro de 2004 17h33

Médico do São Caetano, morte de Serginho "foi uma fatalidade

O médico Paulo Forte, do São Caetano, falou à imprensa nesta segunda-feira pela primeira vez desde a morte do zagueiro Serginho, que sofreu uma parada cardiorrespiratória no jogo contra o São Paulo, na última quarta-feira, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro.

Na reapresentação da equipe do ABC, Forte fez um pronunciamento onde revelou ter conhecimento de que o jogador havia apresentado "uma arritmia" leve em exames anteriores e que, por isso, foi submetido a um cateterismo, mas afirmou desconhecer que o jogador precisasse parar.

"Fizemos uma avaliação de rotina, quando todos os atletas passaram por exames médicos. No exame ergométrico, ele [Serginho] apresentou uma arritmia leve. Por causa disso, passou por uma ressonância magnética e também por um cateterismo", disse o médico.

"Não houve uma conclusão de que o Serginho devesse parar de jogar futebol. Foi uma fatalidade", acrescentou Forte.

Os jogadores chegaram na sede do clube, na cidade de São Caetano do Sul, por volta das 8h e ficaram reunidos por aproximadamente uma hora. Depois, o grupo seguiu para Mauá (Grande São Paulo), onde ficará concentrado para os 31 minutos finais da partida contra o São Paulo, na próxima quarta.

Apenas o técnico Péricles Chamusca e o atacante Euller deram entrevistas coletivas. "Todos estão sentidos muito este nomento, mas vamos tentar recuperar a alegria dentro do grupo", afirmou Chamusca.

De acordo com laudo do Serviço de Verificação de Óbitos de São Paulo, a morte do jogador foi causada por edema pulmonar e hipertrofia miocárdica, decorrentes de doença congênita que causa o engrossamento das fibras do coração.

Segundo a Folha de S.Paulo revelou no sábado, a primeira bateria de exames, realizada em fevereiro, da qual participou todo o elenco do São Caetano, já detectara problemas cardíacos no jogador, entre eles uma limitação na atividade do ventrículo esquerdo, que injeta sangue na artéria aorta.

O Incor (Instituto do Coração, do Hospital das Clínicas da USP) então solicitou novos testes, entre os quais um cateterismo, que verifica a situação das artérias coronárias por meio de imagens obtidas com processamento digital, e um holter, aparelho usado por 24 horas para avaliar a atividade elétrica do coração. Ambos foram realizados em junho.

O cateterismo não apontou entupimentos nas coronárias, mas diagnosticou um enfraquecimento no músculo do coração. Já o holter apresentou sucessivas extra-sístoles (arritmias).

Com o laudo dos exames, uma equipe do Incor informou ao médico do São Caetano, Paulo Forte, que a situação clínica do zagueiro era incompatível com sua atividade profissional.

Na tarde desta segunda, o Incor convocou uma entrevista coletiva. O médico David Uip, diretor-executivo da entidade, disse que os resultados dos exames, de todo o elenco, não apenas do jogador Serginho, foram passados ao São Caetano.

Uip, no entanto, disse que o hospital não pode divulgar informações dos pacientes sem a autorização dos familiares ou autoridades.

Para apurar as diferentes versões para o caso, um dia após a morte do jogador, a Polícia Civil do Estado instaurou inquérito, que deverá demorar 30 dias para ser concluído, para apurar o caso.

De acordo com o delegado Guaracy Moreira Filho, a intenção é descobrir se houve negligência no atendimento ao atleta e, principalmente, se havia realmente indicação médica que impedisse o jogador de praticar o futebol.

Também na semana passada, o CRM-SP (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) abriu sindicância para apurar responsabilidades de médicos no episódio.

 
 
Folha Online
Comentários
Veja Também
SADER_LATERAL
LISTINHA_ONLINE
ÓTICA_DOURADOS
Últimas Notícias
  
FORTALEZA
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.