Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 25 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Média das exportações em setembro foi a maior do ano

6 Set 2004 - 17h01
As exportações superaram as importações em US$ 551 milhões na primeira semana de setembro, registrando a maior média diária exportada do ano, no valor de US$ 458,7 milhões. Em apenas três dias úteis, as vendas externas brasileiras atingiram US$ 1,376 bilhão, montante 38,6% superior ao apurado em setembro de 2003. As importações, que totalizaram US$ 825 milhões, tiveram média diária de US$ 275 milhões e um crescimento de 31,1% frente ao mesmo mês do ano passado. Com o resultado semanal, há um superávit acumulado no ano de US$ 22,502 bilhões.

- Os números da balança comercial brasileira estão ótimos, tanto do ponto de vista das exportações como das importações. Só esperamos que os dois cenários se mantenham em 2005 - afirmou o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.

Para Castro, o aumento das importações significa que o crescimento da economia está, de fato, consolidando-se. Quanto às exportações, o vice-presidente da AEB acredita que os empresários brasileiros descobriram de vez o mercado internacional.

- As pessoas não se dão conta que um superávit comercial de US$ 33 bilhões para este ano corresponde a cerca de R$ 100 bilhões líquidos e extras que serão jogados na economia - destacou Castro.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, houve crescimento das três categorias de produtos na pauta de exportação: manufaturados (56,2%), semimanufaturados (30,1%) e básicos (15,1%). O Brasil vendeu mais, principalmente, aviões, laminados planos, açúcar refinado, óxidos e hidróxidos de alumínio, óleo de soja refinado, álcool etílico, obras de marcenaria, tubos de ferro fundido, tratores, calçados, móveis, máquinas e aparelhos para terraplanagem, couros e peles, algodão, fumo em folhas e carnes em geral. Em relação ao mês anterior, as vendas externas subiram 11,4%.

Nas importações, ampliaram-se os gastos com químicos orgânicos e inorgânicos (103,3%), filamentos e fibras sintéticas ou artificiais (80,7%), aeronaves e peças (76,3%), produtos farmacêuticos (65,3%), instrumentos de ótica e precisão (50,6%), plásticos e obras (40,5%), equipamentos elétricos e eletrônicos (27,9%), veículos e partes (27,4%) e adubos e fertilizantes (26,4%). Frente a agosto, as compras externas aumentaram 7,6%.
 
O GLOBO

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção