Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
ENEM

MEC exige itens de segurança de gráfica do Enem

16 Ago 2010 - 06h07Por G1

Procura-se uma gráfica de segurança máxima para imprimir o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No ano passado, o exame virou caso de polícia: a prova foi furtada da gráfica e acabou adiada.

“[O Enem] não está passando a sensação de ser um exame seguro, um exame moderno de seleção”, diz a aluna Priscila Esteves.

“Você estuda para aquele dia e, de repente, a prova foi roubada”, afirma Isis Abreu.

“Ele passou a valer muito, passou a ser a porta de entrada para cursos muito cobiçados. Quando isso acontece é como transportar dinheiro, uma coisa muito cobiçada”, diz o especialista em avaliação Leandro Tessler, da Universidade da Campinas (Unicamp).

Este ano, o Ministério da Educação (MEC) exige da gráfica itens como raio-x e detectores de metais; funcionários identificados por impressão digital; câmeras a cada 20 metros quadrados, monitoradas 24 horas e vigilantes a cada cem metros quadrados.

Tudo está especificado em um documento com as regras para a concorrência. A escolhida deveria ser a gráfica que cumprisse todos os itens de segurança pelo menor preço. O valor mais baixo foi oferecido pela Gráfica Plural, que é a mesma de onde a prova foi furtada no ano passado. Mas o MEC recusou a gráfica e, agora, a Plural pede na Justiça a revisão da decisão.

O Fantástico entrou na gráfica no exato dia em que os testes de impressão deveriam ter começado. O diretor geral não quis gravar entrevista, mas contou que desde o ano passado, quando o Enem foi roubado lá de dentro, cerca de R$ 15 milhões foram investidos em equipamentos de segurança.

Para a empresa, o MEC deveria ter visitado o local antes de decidir pela desclassificação na concorrência do Enem.

Para o MEC, a verificação era desnecessária porque, como indica um documento, a Plural não tem experiência com trabalhos que exigem tanta segurança.

A Justiça decide esta semana onde a prova será impressa. Enquanto isso, nada acontece em uma área restrita, que a Plural garante estar pronta para imprimir a prova.

“Eu esperava que este ano corresse tudo perfeitamente”, diz o estudante Lucas Furushio.

“Um dos objetivos era acabar com o estresse do vestibular. Agora, está sendo criado o estresse do Enem”, diz a educadora Maria Helena Guimarães de Castro, que fez parte da equipe do MEC que criou o Enem, em 1998, quando 160 mil alunos prestaram a prova. “Era uma referência individual de avaliação. Não era seleção”.

Mas no ano seguinte, o Enem já começou a valer pontos em vestibulares importantes. Dez anos depois, a grande mudança: o Enem passou a ser usado por universidades federais no lugar do vestibular. Este ano, 4,5 milhões de alunos se inscreveram.

“Na medida que você aumenta o tamanho, a chance de as coisas darem errado aumenta”, afirma Leandro Tessler.

Atraso

Os estudantes querem saber: o Enem deste ano vai atrasar? O Fantástico levou a dúvida dos alunos até Brasília, para o responsável pela prova. O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Joaquim José Soares Neto, garante que não. "As provas vão ser dias 6 e 7 de setembro, conforme anunciado”, garante.

“Eu queria saber como está sendo a segurança da prova”, diz Luís Pinho.

“Estamos cuidando ponto a ponto da segurança do exame – na parte da gráfica, na parte da distribuição, na parte da aplicação”, responde o presidente do Inep.

Segundo o MEC, a distribuição e o armazenamento das provas vai ser acompanhado pelas polícias militar e federal.

“Uma prova desse tamanho, centralizada, feita em um dia só, dificilmente vai dar certo sem nenhum problema. Isso é muito difícil”, comenta Maria Helena Guimarães de Castro.

Exemplo

Uma das soluções pode vir dos Estados Unidos, do exame que inspirou o Enem. A prova que seleciona alunos para as universidades americanas acontece várias vezes ao ano e pode ser feita até pelo computador, em salas especialmente reservadas. Isso é possível porque, ao longo dos anos, foi formado um enorme banco de questões: são 130 mil itens. O acervo no Brasil ainda é pequeno: apenas 10 mil questões. A intenção é ampliá-lo.

“Isso vai fazer com que, no futuro, o Enem possa ser aplicado em várias versões, em várias vezes”, explica Joaquim José Soares Neto.

Os alunos esperam um Enem sem polêmicas. “Acho que daqui a um tempo eles vão aperfeiçoar e reconhecer os erros. Acho que o Enem vai dar certo mais para frente”, afirma Marjorie Romano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros
DICAS DE SERVIÇO DE HOSPEDAGEM NA WEB
Vai criar um blog ou um site?, saiba aqui tudo sobre o serviço de hospedagem
ALERTA NA NET
Golpe no WhatsApp engana usuários ao prometer brindes falsos de Natal
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz passa mal ao abraçar e beijar a mãe pela primeira vez
FURACÃO
Atlético-PR ganha nos penaltis e é campeão da Sul-Americana
PROVAS ROBUSTAS
PF apreende R$ 2 milhões em busca em endereços de Aécio e aliados de Temer
INCREDIBILIDADE
Um Governo ficha-suja: mais da metade dos ministros estão enrolados
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça