Menu
SADER_FULL
sexta, 19 de abril de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Mantega contraria Dirceu sobre inflação

14 Set 2004 - 17h48
O ministro Guido Mantega (Planejamento) disse hoje que vê pressão inflacionária na economia, discordando de afirmações feitas ontem pelo ministro José Dirceu (Casa Civil) de que não existe pressão sobre a inflação que coloque em risco a meta do governo.

'Nós detectamos ao longo do ano alguma pressão inflacionária, sim. Tanto que a expectativa para o IPCA [Índice de Preços ao Consumidor Amplo, do IBGE] para este ano está acima de 7%', disse Mantega, hoje, ao chegar para o Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

A meta central do governo para 2004 é de 5,5%. No entanto, há uma margem de erro de 2,5 pontos percentuais para cima ou para baixo. Ou seja, se a inflação atingir 8% no ano, supera a meta central, mas ainda assim fica dentro da margem de erro.

Na avaliação de Mantega, o aumento da inflação é causado principalmente pelas commodities (matérias-primas ou alimentos in natura) em razão do 'sucesso do Brasil no exterior' com as exportações. 'Estamos conseguindo exportar tanto que somos contaminados pela elevação dos preços das commodities', afirmou.

O ministro considerou, porém, que a decisão de aumentar ou não o juro é 'exclusivamente' do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, que se reúne hoje e amanhã.

Mantega disse ainda que as decisões mensais do Copom não devem ser objeto de amplas discussões na sociedade, discordando mais uma vez de José Dirceu, que defendeu ontem o debate na sociedade sobre o juro e criticou o fato de não poder comentar a ata da reunião do comitê.

'Sai a ata do Copom e ninguém pode falar sobre isso. Estamos ou não numa democracia? Eu tenho que tomar cuidado porque sou ministro e sou bastante disciplinado ao Lula. Mas também sou cidadão, sou parlamentar pelo meu Estado [SP], e tenho responsabilidades no projeto que o meu partido [PT] construiu em 23 anos. Não sou um robô que obedeço', disse ontem Dirceu no evento da FGV.

Segundo Mantega, as medidas pontuais do Copom não têm que ser discutidas. 'Isso não é objeto de discussão. É só o Copom que tem que fazer isso', afirmou o ministro do Planejamento hoje.

'Eu não vi as declarações do Dirceu e não creio que ele tenha dito que não há liberdade, porque no governo temos vários fóruns. Mas, no caso das taxas de juros, essa é uma decisão do Copom e não adianta a gente fazer uma discussão ampla', disse.

Ele acrescentou que pode ser feita uma discussão ampla sobre os rumos da economia, sobre a existência ou não de pressão inflacionária e outros temas.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião
DEU RUIM
Vítima reage e mata assaltante que tentava roubar camioneta em Toledo – ASSISTA VÍDEO
PAI MONSTRO
Pai é preso suspeito de estuprar e engravidar a filha de 11 anos
15 METROS DE ALTURA
MILAGRE – Menina de um ano que caiu do 4º andar de prédio não sofreu nenhuma fratura